Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cerca de 30 bebês prematuros são evacuados de hospital de Gaza

Recém-nascidos no Hospital Shifa serão transferidos para o Egito

Por Da Redação
19 nov 2023, 10h39

Cerca de 30 bebês prematuros foram evacuados do Hospital Shifa, principal hospital de Gaz, neste domingo, 19. Os recém-nascidos serão transferidos para o Egito, de acordo com autoridades de saúde palestinas e conforme noticiado pela AP News. Outros pacientes gravemente feridos permanecem internados após o exército de Israel entrar no local. Imagens de médicos tentando aquecer os bebês após um apagão de energia ter desligado incubadoras e equipamentos hospitalares haviam chamado a atenção mundial.

Uma equipe da Organização Mundial da Saúde visitou o hospital no sábado, 18, e disse ter contabilizado 291 pacientes com ferimentos graves, como infecções e lesões na coluna, no local, incluindo 32 bebês em estado crítico.

O diretor do Hospital Shifa, Medhat Abbas, confirmou a evacuação dos recém-nascidos. O serviço de resgate do The Palestinian Red Crescent (Crescente Vermelho Palestino) afirmou ter feito a transferência dos bebês em coordenação com órgãos da ONU para um hospital administrado pelos Emirados Árabes Unidos, na cidade egípcia de Rafah. Não houve comentários imediatos da OMS e não ficou claro se todos os bebês foram evacuados.

Profissionais da saúde do Médicos Sem Fronteiras disseram que um comboio de veículos claramente marcados transportando funcionários e suas famílias foi alvejado na Cidade de Gaza no sábado. Um parente de um funcionário foi morto e outra pessoa ficou ferida, disse o grupo de ajuda humanitária. Ainda segundo a OMS, cerca de 2.500 pessoas foram deslocadas, entre pacientes móveis e equipes médicas, do Hospital Shifa na manhã de ontem. Entretanto, 25 funcionários médicos permaneceram no local junto com os pacientes.

Continua após a publicidade

Israel vem alegando que o Hamas mantém um amplo posto de comando dentro do hospital, que estaria usando os civis para se protegerem, e retrata o Shifa como um alvo-chave para acabar com o domínio do Hamas em Gaza, após o amplo ataque do grupo terrorista ao sul de Israel em 7 de outubro, quando mais de 1.200 pessoas foram mortas, desencadeando a guerra.

O Hamas e a equipe do hospital negam as acusações, e os críticos consideram o hospital um símbolo do que consideram ser o perigo imprudente que Israel representa para os civis. Milhares de pessoas foram mortas em ataques israelitas e há grave escassez de alimentos, água, medicamentos e combustível no território sitiado. As tropas de Israel que estão no hospital há dias fazendo buscas em suas dependências dizem ter encontrado armas dentro do hospital e até a entrada de um túnel. A AP não conseguiu verificar de forma independente as alegações dos militares israelenses.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.