Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Casa Branca diz que ameaça de ataque iraniano a Israel é ‘real e concreta’

Um bombardeio israelense contra embaixada do Irã na Síria aumentou a tensão no Oriente Médio, agravando as chances de uma guerra regional mais ampla

Por Da Redação
Atualizado em 8 Maio 2024, 13h20 - Publicado em 12 abr 2024, 16h47

A Casa Branca disse nesta sexta-feira, 12, que a ameaça de uma retaliação do Irã contra Israel depois de um grande ataque à embaixada iraniana na Síria é “real e concreta”.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Kirby, afirmou que um possível ataque iraniano é “viável” e que Washington estava “observando isso muito, muito de perto”. “Estamos em constante comunicação com nossos homólogos israelenses para garantir que eles possam se defender contra esse tipo de ataque”, completou.

Segundo a mídia americana, o governo avaliou que Teerã pode atingir alvos militares de Israel utilizando mais de 100 drones, dezenas de mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos. Apesar disso, ainda existe a possibilidade do país decidir não lançar nenhuma ofensiva.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já afirmou que oferecerá apoio “férreo” a Israel caso aconteça um ataque iraniano. O Departamento de Estado americano também proibiu a viagem de diplomáticas para fora das cidades de Tel Aviv, Jerusalém e Beersheba, como medida de proteção a possíveis disparos.

Defesa de Israel

Israel se pronunciou sobre a ameaça afirmando estar pronto “defensiva e ofensivamente” para qualquer movimento da República Islâmica. O país também recebeu ameaças de ataque do grupo libanês Hezbollah, apoiado pelo regime de Teerã, que alegou ter lançado “dezenas” de foguetes do Líbano em direção ao território israelense. As Forças de Defesa de Israel (FDI) confirmaram o disparo de 40 mísseis e dois drones explosivos, mas disseram que não houve vítimas nem indícios de envolvimento do Irã no ataque.

Continua após a publicidade

Em meio à crescente possibilidade de uma retaliação iraniana, o exército de Israel reforçaram suas defesas, convocaram reservistas e cancelaram licenças temporárias dos militares em serviço. A rádio local também informou que as autoridades do governo foram instruídas a se preparar para um possível ataque, apesar de não haver nenhum novo alerta de perigo ou conselho de proteção à população.

Também nesta sexta-feira, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se reuniu com membros de seu gabinete de guerra. Ele já afirmou que o governo está preparado “para atender a todas as necessidades de segurança do Estado de Israel”. Já o ministro da Defesa, Yoav Gallant, se encontrou com chefe do Comando Central dos Estados Unidos e afirmou que a aliança entre os dois países se fortaleceu devido à ameaça do Irã. “Saberemos como responder”, garantiu Gallant.

Possível guerra regional

Apesar de Israel não ter assumido a responsabilidade pelo lançamento dos mísseis que mataram sete pessoas na embaixada iraniana em Damasco, capital da Síria, incluindo um comandante da Força Quds, braço da Guarda Revolucionária Iraniana que opera no exterior, o país é considerado culpado pelo ataque tanto entre nações árabes quanto de acordo com a inteligência americana.

Desde então, uma possível resposta do Irã aumentou a possibilidade de desencadear uma guerra regional mais ampla no Oriente Médio, transbordando da Faixa de Gaza, onde Israel luta contra o Hamas. Na tentativa de impedir que isso ocorra, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, pediu aos ministros das Relações Exteriores da China, Arábia Saudita e Turquia que seus respectivos países (aliados de Teerã) tentem convencer as forças iranianas a não atacarem.  

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.