Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Carro-bomba mata pelo menos 25 em mercado no Iraque

Número de mortes ainda pode subir. Há muitos feridos em estado grave

Pelo menos 25 pessoas morreram e 35 ficaram feridas na explosão de um carro-bomba no mercado popular de uma cidade da província de Diyala, no Leste do Iraque, nesta quinta-feira, informaram fontes policiais. O atentado acontece um dia após uma série de explosões de veículos deixar 47 mortos e 130 feridos em Bagdá.

As fontes não descartaram que o número definitivo de mortos aumente devido à gravidade dos feridos, que já foram transferidos para os hospitais da região. A explosão aconteceu na cidade de Al Saadia, a 60 quilômetros ao norte de Baquba, capital de Diyala. O mercado estava muito movimentado no momento do atentado, que provocou ainda graves danos materiais nas lojas e nos carros estacionados nos arredores. Após a explosão, as forças de segurança cercaram a área temendo novos ataques.

Leia também

Série de explosões em Bagdá deixa pelo menos 28 mortos e 60 feridos

Atentados matam dez pessoas no Iraque

Outubro é um dos meses mais violentos no Iraque e atentados matam 964 pessoas

O Iraque vive sua maior onda de violência desde 2008. A violência sectária e o terrorismo aumentaram no país com frequentes ataques contra as forças de segurança e a comunidade xiita. Os piores ataques tiveram início em abril, quando um atentado contra um acampamento de sunita no norte do país vitimou mais de trinta pessoas. Desde então, mais de 5 500 pessoas foram mortas em atentados, de acordo com as Nações Unidas.

Recentemente, o primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, pediu ajuda de Washington sob a forma de partilha de informações e fornecimento de armas em um esforço para conter o derramamento de sangue no país. Mas observadores internacionais dizem que o governo iraquiano não está fazendo o suficiente para combater as causas dos distúrbios, especialmente em relação à minoria árabe sunita, que é constantemente maltratada nas mãos das autoridades xiitas.

(Com agência EFE)