Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Carro-bomba explode na cidade síria de Deir ez-Zor

Cairo, 19 mai (EFE).- Um carro bomba explodiu neste sábado na cidade de Deir ez-Zor, no leste da Síria, informaram a televisão local e o Observatório de Direitos Humanos, que por enquanto não ofereceram dados sobre vítimas.

A explosão sacudiu a cidade nesta manhã em uma nova jornada de violência, um dia depois de o regime ter usado a força para reprimir manifestações em diferentes regiões do país.

Uma grande coluna de fumaça foi gerada no lugar do atentado, onde edifícios e veículos foram danificados, segundo as imagens divulgadas pela televisão.

O Observatório sírio de Direitos Humanos afirmou em comunicado que o carro-bomba explodiu em uma rua na qual se encontram duas dependências da Inteligência e um hospital militar.

Em 10 de maio, pelo menos 55 pessoas morreram na explosão de dois carros-bomba na periferia de Damasco, no atentado mais sangrento desde o início da revolta contra o regime sírio, que acusou supostos grupos terroristas pelo massacre.

Esse tipo de ataques vem aumentando nos últimos meses na Síria, onde prossegue a violência apesar da presença de uma missão de observadores da ONU encarregada de verificar o cumprimento do plano de paz do enviado especial para o país, Kofi Annan, que estipula o fim das hostilidades, entre outros pontos.

Os ativistas dos Comitês de Coordenação Local assinalaram que as forças sírias bombardearam hoje com artilharia pesada a localidade de Kfar Nabol, na província de Idlib, e os bairros de Khobar e Sultanieh, na cidade de Homs, dois redutos da oposição ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

Ontem, as forças do regime sírio empregaram fogo real para dispersar as diversas manifestações que percorreram vários bairros da cidade de Aleppo em mais uma jornada de protestos.

De acordo com os dados da ONU, desde março de 2011 mais de 10 mil pessoas morreram na Síria pela violência, enquanto 230 mil se deslocaram internamente e mais de 60 mil buscaram refúgio em países limítrofes, como a Turquia e o Líbano. EFE