Clique e assine com até 92% de desconto

Câmara dos Representantes dos EUA aprova novas sanções financeiras contra Irã

Por Da Redação 1 ago 2012, 22h30

Washington, 1 ago (EFE).- A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira novas sanções financeiras contra o Irã, medidas que deverão ser ratificadas nesta semana pelo Senado e o presidente Barack Obama.

O novo pacote de sanções, que tem o objetivo de impedir o Irã de continuar com seu programa nuclear, foi aprovado por 421 votos a favor e 6 contra.

O conjunto de sanções estipulado hoje pela Câmara Baixa aumentará a pressão financeira contra o regime de Teerã, ao atingir as receitas geradas pelo comércio de petróleo.

As medidas incluem punições contra companhias e indivíduos que ajudem o Irã a procurar urânio e sancionarão a companhia estatal de transporte marítimo National Iranian Tanker.

As sanções também penalizarão, dentro do alcance das leis americanas, todas as companhias e indivíduos vinculados com a indústria petrolífera, petroquímica e de gás natural iraniano.

Continua após a publicidade

Além disso, as novas medidas tentarão fechar os meios que o Irã utiliza para obter lucro com as vendas de petróleo. Alguns políticos americanos colocaram em dúvida o alcance das sanções que tinham sido impostas até o momento.

O Irã assegura que seu programa nuclear tem fins pacíficos. Israel pressionou os EUA para não permitir que o regime dos aiatolás alcance um nível de desenvolvimento atômico que seja difícil de deter.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse hoje que ‘as sanções e a diplomacia não tiveram impacto algum no programa nuclear iraniano’.

Em resposta, a Casa Branca defendeu o ‘impacto significativo’ das sanções já aplicadas na economia do Irã , embora admitiu que não conseguiu que o país árabe cumpra com suas obrigações internacionais.

O presidente Obama anunciou nesta semana novas sanções, diferentes das aprovadas hoje pela Câmara dos Representantes, com objetivo de ‘pressionar e isolar’ Teerã.

Os Estados Unidos e seus aliados europeus asseguram que o embargo ao comércio de petróleo iraniano estipulado com a União Europeia, China, Índia, Japão e Coreia do Sul reduziu significativamente as exportações do petróleo de Teerã. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade