Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O look do dia de Bolsonaro: sete condecorações e faixa presidencial

Presidente chama atenção ao se vestir como os monarcas na entronização do imperador Naruhito

Se o presidente Jair Bolsonaro pretendia se destacar entre os dignatários convidados para a cerimônia de entronização do imperador Naruhito, do Japão, nesta terça-feira, 22, conseguiu. O brasileiro vestiu-se com fraque, como manda a ocasião, mas agregou a faixa presidencial e sete condecorações a seu traje, entre as quais um colar. Apenas monarcas e dois plebeus, o presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, e o primeiro-ministro da Finlândia, Sauli Niinisto, se adornaram ao estilo de Bolsonaro. Porém, com mais moderação.

A última vez que um presidente brasileiro foi visto tão paramentado foi em maio de 1991, quando Fernando Collor de Mello se esmerou para ser recebido pelo rei Juan Carlos, da Espanha, durante visita oficial a Madri. Saiu do país com uma linha de crédito para o Brasil, mas também com os escárnios de quem conhece o uso sóbrio das comendas, medalhas e da própria faixa presidencial.

No caso da cerimônia em Tóquio, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, mostrou sobriedade e nenhum adereço em seu fraque. A mesma escolha foi repetida pelos dignatários e representantes dos governos da Turquia, República Checa, Bulgária, Mongólia, China, Filipinas, Coreia do Sul e Ucrânia. No máximo, traziam eles uma botonière – o botão que representa a maior condecoração recebida e que, para os bons entendedores, basta.

O presidente Jair Bolsonaro preparado para a cerimônia de entronização do imperador do Japão, ao lado do chanceler Ernesto Araújo (dir) – 22/10/2019
Foto: José Dias/PR

O presidente Jair Bolsonaro preparado para a cerimônia de entronização do imperador do Japão, ao lado do chanceler Ernesto Araújo (dir) – 22/10/2019
Foto: José Dias/PR (José Dias/Presidência/Divulgação)

Criada pelo decreto 2.299, de 21 de dezembro de 1910, a faixa presidencial foi uma das heranças republicanas deixadas pelo então presidente Hermes da Fonseca, cujo governo deu uma solução traiçoeira à Revolta da Chibata e não chegou a acabar com a Guerra do Contestado. O texto do decreto não previu os usos do “distinctivo” do cargo de Presidente da República.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ronaldo da Fonseca

    O imbecil nem sabe o que está fazendo lá.

    Curtir

  2. Ricardo Alves dos Santos

    Quem é esse cara? É o Collor? Ah, não; é o Bostanaro!

    Curtir