Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bolívia acusa governo de Macri de colaboração em atos contra Morales

Governo boliviano avalia denúncias internacionais contra ex-presidente argentino por envio de 'munições letais' para reprimir manifestações em 2019

Por Da Redação Atualizado em 9 jul 2021, 12h36 - Publicado em 9 jul 2021, 09h35

O governo do presidente boliviano, Luis Arce, acusou na quinta-feira, 8, o ex-presidente argentino Mauricio Macri (2015-2019) de ter enviado o que chamou de “munições letais” para reprimir as manifestações durante a crise de 2019, colaborando, na prática, para a destituição do então presidente Evo Morales.

O ministro das Relações Exteriores da Bolívia, Rogelio Mayta, divulgou em uma entrevista coletiva uma carta do general Gonzalo Terceros, até então comandante da Força Aérea Boliviana (FAB), dirigida ao então embaixador argentino em La Paz, Normando Álvarez.

Na nota, Terceros agradeceu a Álvarez pela colaboração fornecida à FAB “no âmbito do apoio internacional bilateral” e detalhou uma série de itens de “material de guerra de agentes químicos” que incluía 40.000 balas de borracha AT 12/70, assim como uma série de gases lacrimogêneos e bombas de efeito moral.

Carta apresentada por autoridades bolivianas para denunciar colaboração do ex-presidente argentino Mauricio Macri na destituição de Evo Morales.
Carta apresentada por autoridades bolivianas para denunciar colaboração do ex-presidente argentino Mauricio Macri na destituição de Evo Morales. Reprodução/Reprodução

“Destacamos que a Argentina presidida por Mauricio Macri deu munições letais às forças militares que reprimiram o protesto social em novembro de 2019”, destacou Mayta.

A carta tem data de 13 de novembro, um dia depois que Jeanine Áñez autoproclamou-se presidente interina, depois de Evo Morales renunciar, sob pressão das Forças Armadas.

Denúncia internacional

Logo após as denúncias, o embaixador argentino em La Paz, Ariel Basteiro, afirmou que o país vizinho avalia apresentar uma denúncia internacional contra o ex-presidente argentino.

Em declarações às rádios El Destape e Radio 10, o embaixador relatou que Arce comunicou ao atual presidente argentino, Alberto Fernández, sobre a possibilidade de denúncias.

Continua após a publicidade

Em carta enviada a La Paz na quinta-feira, Fernández, que tem boas relações com a Bolívia e ofereceu asilo político a Morales, se desculpou por seu antecessor.

Em 12 de dezembro de 2019, apenas dois dias após a posse de Fernández como presidente, Evo Morales pousou no Aeroporto Internacional de Ezeiza para buscar refúgio na Argentina após sua traumática saída da Bolívia.

Morales passou quase um ano em território argentino. Até que em 9 de novembro de 2020, com Luis Arce como presidente boliviano, cruzou a fronteira para retornar a seu país.

“Descobriu-se que uma remessa de material foi enviada de nosso país que só pode ser interpretada como um reforço da capacidade de ação das forças sediciosas contra a população boliviana naqueles dias”, escreveu o chefe de governo da Argentina.

“Foi uma colaboração decidida pelo governo do então presidente Mauricio Macri com a repressão militar e policial sofrida por aqueles que defendiam a ordem institucional em seu país”, acrescentou.

Fernández salientou ainda que os fatos estão sendo analisados por um grupo de especialistas independentes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

“Mantenho pela tranquilidade de minha consciência, tendo feito tudo ao meu alcance para preservar as vidas de Evo Morales, Alvaro Garcia Linera (ex-vice-presidente) e muitos outros irmãos bolivianos sitiados pelos golpistas”, destacou o presidente da Argentina. “Nossas democracias são fortes. Temos que continuar trabalhando juntos para consolidá-las”, completou.

Continua após a publicidade
Publicidade