Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Boca de urna indica vitória de Netanyahu em Israel

Com votos conquistados pelo Likud e legendas ultraortodoxas e de extrema direita, premiê está perto de formar novo governo

Por Da Redação Atualizado em 2 mar 2020, 17h48 - Publicado em 2 mar 2020, 17h14

As primeiras pesquisas de boca de urna das eleições de Israel indicam uma vitória do partido do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, com uma vantagem de quatro assentos em relação ao seu maior oponente, o Azul e Branco do general reformado Benny Gantz.

Segundo as pesquisas de boca de urna divulgadas pelos canais de TV 12 e 13, o Likud de Netanyahu conseguiu 37 cadeiras, contra 33 do Azul e Branco. 

Ainda de acordo com as previsões publicadas nesta segunda-feira, 2, os três principais partidos ultraortodoxos e de extrema direita do país teriam conquistado juntos 23 assentos. Com esse total, o bloco formado pelo Likud estaria a apenas um deputado de conseguir formar um governo de coalizão.

O Knesset, Parlamento israelense, é formado por 120 deputados, e a maioria de 61  é necessária para a formação de um governo e a escolha do premiê. Juntos, Likud e as legendas ultraortodoxas e de extrema direita têm 60 deputados. Já o bloco de centro-esquerda e os árabes somam 54.

Na mira da Justiça

Netanyahu foi indiciado em janeiro em três casos judiciais – por suborno, fraude e quebra de confiança. Em dois deles, é acusado de ter trocado favores por coberturas positivas na imprensa local. No terceiro por receber presentes no valor de 700.000 shekels (cerca de 853.000 reais) de um produtor de Hollywood. O julgamento de Bibi está marcado para 17 de março, pouco mais de duas semanas após as eleições.

A lei israelense estabelece que qualquer ministro sujeito a um processo criminal deve renunciar ao cargo, mas isso não se aplica ao primeiro-ministro. Se conseguir formar um governo e se consagre premiê, Netanyahu estará a salvo por mais alguns anos. Caso contrário, seu futuro político pode estar ameaçado. 

Imunidade

Embora possa permanecer na posição de premiê, Benjamin Netanyahu não goza de imunidade judicial. Netanyahu solicitou ao Parlamento, no início de janeiro, que lhe desse esse benefício depois das  eleições legislativas de 2 de março, apostando em sua vitória para obter a maioria e, assim, se proteger da Justiça.

Mas os partidos da oposição convenceram a maioria dos deputados a examinar seu pedido de imunidade antes das eleições. Diante da rejeição antecipada a seu pedido, Netanyahu retirou no final de janeiro sua solicitação.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês