Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Boca de urna aponta retorno do Partido Colorado ao poder no Paraguai

Horacio Cartes deve assumir o poder no próximo dia 15 de agosto

O multimilionário Horacio Cartes venceu neste domingo, por ampla margem, as eleições presidenciais no Paraguai, segundo duas pesquisas de boca de urna. A vitória marca o retorno do conservador Partido Colorado ao poder, que foi desbancado em 2008 pelo esquerdista Fernando Lugo, após seis décadas de governo.

Leia também

Paraguaios vão às urnas neste domingo de olho na economia

Parlamentares esperavam a hora certa para impeachment

De acordo com dados da empresa First Analysis y Estudios, Cartes alcançou 50,8% dos votos, contra 37% para o senador oficialista Efraín Alegre e 5,1% para o ex-apresentador de TV Mario Ferreiro, do esquerdista Avança País. Já a consultoria ICA atribuiu a Cartes 59,7% dos votos, enquanto Alegre ficou em segundo com 34,3% e a Ferreiro com 6,8%. O Tribunal Superior de Justiça Eleitoral (TSJE) do Paraguai divulgará os resultados oficiais parciais durante a madrugada. Segundo o assessor técnico do tribunal, Luis Salas, a participação total foi de 75%.

No começo da noite, o candidato governista, Efraín Alegre, reconheceu sua derrota nas eleições. “Procuramos obter a vitória, mas não foi possível. O povo paraguaio se pronunciou, e nós respeitamos. A cidadania resolveu através de sua participação, de sua decisão, de forma transparente, em um processo que consideramos adequado. Um processo que garante o resultado”, declarou.

Nas filas para votar, o otimismo dos colorados era visível desde cedo. “Este será um dia histórico. O Partido Colorado retornará, e será por muitos anos. Em 2018, voltaremos a vencer”, previa o economista Miguel Pereira no centro de Assunção. A transferência de poder está prevista para 15 de agosto. Além do presidente, os paraguaios elegeram hoje o vice, bem como 45 senadores e 80 deputados, para um período de cinco anos. “Entregarei o poder a qualquer um que vencer estas eleições, para reinstitucionalizar a república deste país”, disse o atual presidente Federico Franco.