Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Berlusconi tem ‘momento de fúria’ após condenação

Em vídeo, ex-premiê disse que é inocente e que decisão judicial não tem base

Por Da Redação 2 ago 2013, 10h16

O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi reagiu com fúria a sua condenação à prisão por fraude fiscal, na quinta-feira. Em um vídeo publicado na internet após a condenação, Berlusconi, visivelmente irritado, lançou uma mensagem emocional em que se diz inocente e “vítima de uma série inacreditável de acusações e julgamentos que não condizem com a realidade”.

Berlusconi foi condenado na quinta-feira a quatro anos de prisão por fraude fiscal, mas a pena se reverteu automaticamente a um ano devido a uma lei de indultos de 2006. Devido à sua idade avançada, 76 anos, o ex-premiê não deve permanecer na cadeia, mas deve enfrentar prisão domiciliar ou fazer serviços comunitários.

Outra decisão de tribunais inferiores da qual a defesa do ex-premiê apelou permanece em aberto. A Suprema Corte ordenou uma corte de apelação a revisar a condenação a cinco anos longe de cargos públicos. A sentença poderá ser reduzida para um período entre dezoito meses e três anos.

Na mensagem, Berlusconi diz que a condenação não tem “base alguma” e denunciou “uma verdadeira crueldade judicial sem equivalente” contra ele. “Esta condenação não tem base alguma e me privará de minha liberdade e de meus direitos políticos. Nós devemos continuar combatendo, fazendo política, para realizar todas as reformas necessárias no primeiro plano, entre elas a da justiça”, afirmou o ex-chefe de governo.

“Voltaremos a lançar o Força Itália”, afirmou, referindo-se ao partido político fundado por ele quando entrou na vida política, em 1994. “É esta a Itália que queremos? É esta a Itália que amamos? Absolutamente não”.

Governo – Já o primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, disse nesta sexta-feira estar certo de que os melhores interesses da Itália vão preponderar sobre disputas partidárias, depois da condenação de Berlusconi.

“Estou convencido de que estamos em uma situação em que cada um tem que assumir suas responsabilidades pelos melhores interesses do país”, disse em entrevista à imprensa. Letta acrescentou que está seguro de que “todos os partidos” vão fazer a coisa certa.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade