Clique e assine com até 92% de desconto

Ban tenta convencer Rússia a apoiar saída de Assad

Secretário-greal da ONU se encontra com Vladimir Putin nesta sexta-feira

Por Da Redação 17 Maio 2013, 06h44

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se reúnem nesta sexta-feira em Sochi, balneário russo situado às margens do Mar Negro, com uma agenda centrada na guerra civil da Síria. Ban vai tentar convencer Putin a apoiar a saída do ditador sírio Assad como forma de pôr fim ao conflito, que já dura mais de dois anos e matou mais de 94.000 pessoas. O presidente russo é um dos principais aliados internacionais de Assad, cujo destino segue sendo discutido por Rússia e Estados Unidos após os dois países decidirem realizar uma conferência internacional para pôr fim aos combates no Síria.

Leia também:

Obama mantém em aberto opções diplomática e militar para Síria

O encontro entre as autoridades também abordará a situação do Oriente Médio em geral, do norte da África, da península da Coreia e outros assuntos em destaque no quadro internacional, adiantou a chancelaria russa. O líder da ONU acredita que a Rússia pode colaborar também na solução dos demais conflitos que afetam os países do Oriente Médio.

“Nas reuniões com os líderes russos tratarei de vários temas que preocupam a todos, incluindo a situação na Síria. Confiamos na administração russa para solucionar um dos problemas mais importantes e urgentes de nosso tempo”, disse Ban à agência russa Interfax antes de viajar a Sochi.

A visita de Ban, a sexta como líder da ONU, acontece em meio a preparativos da conferência internacional sobre a Síria, proposta conjuntamente por Moscou e Washington e que espera contar com a participação de todas as partes envolvidas no conflito – tanto governo quanto rebeldes. De acordo com uma fonte diplomática russa em Nova York, citada pela agência Interfax, a conferência sobre a Síria poderia ocorrer nos próximos dias 10 e 12 de junho em Genebra. Além do encontro com Putin, Ban também se reúne com o ministro russo de Relações Exteriores, Sergei Lavrov.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade