Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ativista é hospitalizado para se recuperar da greve de fome

Anna Hazare interrompeu seu jejum após o governo atender às suas exigências

Por Da Redação 29 ago 2011, 10h35

O ativista indiano Anna Hazare se recupera em um hospital depois de 12 dias de greve de fome contra a corrupção. O jejum foi interrompido neste domingo após o governo da Índia ter aceitado suas exigências.

Entenda o caso

  1. • Na Índia, não é obter linha telefônica, autorização comercial ou matrícula em uma escola sem subornar alguém.
  2. • Indignada com a corrupção endêmica no país, a população saiu às ruas pela primeira vez em décadas gritando: “Basta!”
  3. • Exigindo novas leis contra a corrupção, o ativista Anna Hazare iniciou greve de fome. No primeiro dia, foi preso, mas logo depois conseguiu autorização do governo para prosseguir, devido à forte pressão popular.
  4. • Doze dias e alguns quilos a menos depois, Hazare teve suas reivindicações atendidas e encerrou seu jejum.


“Hazare começou a melhorar. Ele vinha perdendo 500 gramas por dia, mas desde que chegou, só perdeu 200. Isso é um sinal de melhora”, disse à agência indiana Ians Naresh Trehan, no hospital Medanta, da cidade de Gurgaon, próxima a Nova Délhi. “O peso de Hazare se estabilizou, mas ele ainda não iniciou a dieta completa, o que será feito de forma gradual”, afirmou Trehan.

Hazare terminou a greve de fome contra a corrupção no domingo diante de milhares de pessoas – tomando um copo de água de coco com mel – depois que o Parlamento indiano anunciou no sábado que adotaria as exigências do militante para reforçar a luta contra a corrupção. O ativista, de 74 anos, recusou, durante o jejum, alimentação intravenosa, apesar de seu estado de saúde ter piorado. A greve de fome de Hazare conquistou a simpatia popular nas principais cidades indianas e seu protesto foi considerado pelos analistas a maior mobilização contra a corrupção desde a independência do país, em 1947.

Exigências – As demandas de Hazare estavam centradas em um projeto de lei, chamado Lokpal Bill, que criava um posto de mediador da República para fiscalizar os políticos e os funcionários públicos. Ele desejava que o mediador tivesse poderes para investigar também o chefe de governo e os altos magistrados no caso de suspeitas de corrupção. Nesta segunda, conseguiu o que queria.

Adnan Abidi / Reuters

Crianças alimentam Hazare com água de coco e mel, para dar fim a seu jejum
Crianças alimentam Hazare com água de coco e mel, para dar fim a seu jejum VEJA

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)