Clique e assine a partir de 9,90/mês

Atirador do Tennessee não tinha ligação com terroristas

Segundo o FBI, Mohammad Abdulazeez não tinha ligações com terroristas internacionais. Ele foi morto pela polícia e autoridades investigam o caso como "terrorismo doméstico"

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 21h29 - Publicado em 17 jul 2015, 08h25

O FBI (a polícia federal americana) informou que o atirador que matou nesta quinta-feira quatro fuzileiros navais em um ataque no Tennessee não tinha nenhuma ligação conhecida com o terrorismo internacional, reporta a rede CNN nesta sexta. Mohammad Youssef Abdulazeez, de 24 anos, foi morto a tiros pela polícia depois que ele atacou um centro de recrutamento militar e uma instalação da Marinha em Chattanooga.

Promotores americanos e o FBI estão investigando os ataques como “terrorismo doméstico”, sem ligação com redes como a Al Qaeda ou o Estado Islâmico. No entanto, o FBI informou que a motivação de Abdulazeez ainda não está clara. Um policial, um fuzileiro naval e uma marinheira ficaram feridos durante o ataque. A marinheira foi atingida no peito por um tiro de grosso calibre e permanece internada em estado grave.

Leia também

FBI identifica atirador de Chattanooga

Continua após a publicidade

Atirador ataca instalações do Exército e da Marinha no Tennessee

O ataque ocorreu num momento em que as autoridades americanas estão cada vez mais preocupadas com a ameaça que “lobos solitários” representam para alvos dentro do país. O termo é usado para designar atiradores e terroristas que agem por conta própria, com motivações extremistas, racistas ou mesmo patológicas.

Abdulazeez, dirigindo um Ford Mustang conversível, primeiro foi para um centro de recrutamento militar em um shopping e começou a atirar, acertando vários tiros na fachada de vidro. O atirador então seguiu para o Centro da Reserva da Marinha, a 10 quilômetros de distância, matando os quatro fuzileiros navais antes de ser morto a tiros em um confronto com a polícia. O atirador era nascido no Kuweit, mas tinha se naturalizado americano ainda quando era criança. Ele vivia em Hixon, uma pequena cidade nos arredores de Chattanooga, e seu pai trabalhava no Departamento de Obras Públicas da cidade.

(Da redação)

Publicidade