Clique e assine com até 92% de desconto

Até a Rússia concorda com punição se Assad descumprir acordo, diz Kerry

Já ministro russo diz que não é bem assim. França, Grã-Bretanha e EUA pedirão ao Conselho de Segurança da ONU resolução 'firme' para punir regime sírio caso Assad não entregue armas

Por Da Redação 16 set 2013, 08h26

O secretário de Estado americano John Kerry afirmou nesta segunda-feira que até mesmo o governo russo concordou que, caso o regime do ditador sírio Bashar Assad não cumpra totalmente a promessa de entregar seu arsenal químico no prazo que será estipulado pela ONU, haverá fortes consequências da comunidade internacional.

Leia também:

Relatório já está nas mãos do secretário-geral da ONU

Para Assad, o Nobel de Química (e também o da Paz)

“Se Assad não cumprir o prazo para cumprir os termos, não se enganem, estamos todos de acordo – e isso inclui a Rússia – que haverá consequências”, disse Kerry, em entrevista coletiva em Paris com os seus colegas francês e britânico. Pouco após as declarações de Kerry, contudo, o ministro russo das Relações Exteriores afirmou que não é bem assim: Sergei Lavrov criticou o pedido ocidental de uma “resolução forte” contra a Síria no Conselho de Segurança da ONU.

Continua após a publicidade

“Considero que, em certa medida, isto é tergiversar a realidade, já que com Kerry (secretário de Estado americano John) concordamos claramente como é preciso atuar, de acordo com o direito internacional”, disse Lavrov em entrevista coletiva segundo a agência estatal russa Interfax. Lavrov, que se referia à resolução que propõe “consequências sérias” se a Síria não entregar suas armas químicas à comunidade internacional, fez estas afirmações depois de se reunir com o chefe da diplomacia egípcia, Nabil Fahmi.

O presidente francês, François Hollande, também falou, e afirmou que França, Grã-Bretanha e Estados Unidos buscam uma resolução da ONU “forte” e com compromissos sobre a entrega de armas químicas da Síria. Hollande, Kerry, e o ministro britânico de Relações Exteriores, William Hague, concordaram, durante conversações em Paris, que a resolução tem de mostrar um “cronograma preciso” para o desmantelamento das armas, disse um comunicado da Presidência francesa.

Nações Unidas – O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, recebeu no domingo o relatório dos inspetores da organização sobre o uso de armas químicas em um ataque que deixou mais de 1.400 mortos na Síria em agosto. A ONU anunciou que o relatório será publicado em seu site na internet na manhã desta segunda-feira.

Também na manhã desta segunda, Ban deverá dar um informe sobre o conteúdo do relatório ao Conselho de Segurança da ONU, em uma reunião a portas fechadas. Mais tarde, o secretário-geral vai apresentar os resultados da inspeção ao plenário da Assembleia Geral, que reúne todos os 193 países membros.

A equipe de inspetores, liderada pelo sueco Ake Sellstrom, tinha o mandato de relatar se foram usadas armas químicas num ataque ocorrido em um subúrbio de Damasco, a capital síria, em 21 de agosto – e, nesse caso, quais agentes químicos foram usados. Não foi atribuída aos inspetores a responsabilidade de determinar quem cometeu o ataque.

(Com agências Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade