Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ataques israelenses já deixaram 10 mil mortos em Gaza, dizem palestinos

Os últimos números do Ministério da Saúde do enclave mostram que o combate está se intensificando enquanto ONU pede por cessar-fogo

Por Da Redação
6 nov 2023, 13h14

Mais de 10 mil pessoas foram mortas em 31 dias de ataques implacáveis de Israel na Faixa de Gaza, segundo autoridades de saúde palestinas, enquanto ainda não existe nenhuma previsão de um cessar-fogo na região. O Ministério da Saúde de Gaza divulgou um comunicado nesta segunda-feira, 6, revelando que entre as vítimas fatais estão mais de 4 mil crianças e muitas ainda estão presas sob os escombros de prédios residenciais.

O número de feridos desde o início dos bombardeios aumentou para 25.408, disse um porta-voz do Ministério da Saúde, acrescentando que Israel conduziu 18 ataques nas últimas horas, matando 252 pessoas. Na semana passada, também foi divulgado que pelo menos 72 funcionários das Nações Unidas morreram em Gaza enquanto prestavam cuidados humanitários para a população.

“Espera-se que o número [de mortos] aumente, já que pelo menos 2.000 pessoas permanecem sob os escombros. O problema é que, com a falta de equipamento e maquinaria pesada, as equipes de resgate no terreno não conseguem remover e retirar estes corpos dos escombros”, disse Hani Mahmoud, um jornalista correspondente da emissora Al Jazeera.

+ Agências da ONU se juntam para pedir ‘cessar-fogo imediato’ em Gaza

Desde os ataques do Hamas ao território israelense do dia 7 de outubro, que deixou 1.400 pessoas mortas, Tel Aviv prometeu destruir o grupo armado palestino e está realizando um cerca a Gaza. Com pouco fornecimento de combustível, 16 dos 35 hospitais do enclave foram forçados a suspender as operações à medida que o número de feridos aumenta e a ONU afirmou que mais de 1,5 milhão de pessoas foram deslocadas.

Continua após a publicidade

À medida que as condições em Gaza se deterioram, crescem os apelos para o fim dos combates. No final do mês passado, a Assembleia Geral das Nações Unidas votou esmagadoramente a favor de uma resolução que apelava a uma trégua humanitária imediata.

Porém, tanto Israel como o seu aliado mais poderoso, os Estados Unidos, rejeitaram os pedidos de cessar-fogo, dizendo que o fim dos combates daria ao Hamas tempo para se reagrupar. Washington afirmou que apoiaria breves pausas humanitárias para permitir a entrada de ajuda, mas Tel Aviv não parece estar de acordo com a ideia.

+ Passagem entre Gaza e Egito reabre para resgate de estrangeiros

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.