Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ataque suicida no Afeganistão mata pelo menos 27 policiais

A organização extremista Talibã reivindicou o atentado, que ocorreu próximo à capital, Cabul

Um ataque suicida aconteceu nesta quinta-feira durante a passagem de veículos da polícia afegã perto da cidade de Cabul, matando pelo menos 27 policiais e ferindo outras 50 pessoas. A organização extremista Talibã reivindicou o ataque, que atingiu ônibus que levavam cadetes recém-formados.

De acordo com o porta-voz do Ministério do Interior do Afeganistão, Sediq Sediqi, duas explosões ocorreram por volta do meio-dia, no horário local (4h30 no horário de Brasília). Os cadetes estavam voltando da academia de polícia e iriam entrar de licença. Segundo o governador do distrito de Paghman, onde o ataque aconteceu, um homem-bomba detonou e, em seguida, houve a explosão de um carro entre dois ônibus da polícia.

“Estamos trabalhando nos detalhes dos ataques terroristas de hoje contra um comboio da polícia em Cabul, publicaremos novas notícias em breve”, afirmou o porta-voz via Twitter. As autoridades ainda estão tentando confirmar o número de mortos, porém, testemunhas descreveram à rede Al Jazeera que se trata de uma “cena de carnificina”.

Leia também:

Talibã confirma morte de comandante e anuncia substituto

Novo comandante do Talibã é ainda mais sanguinário que seus antecessores

O ex-parlamentar afegão Daoud Sultanzoy disse à Al Jazeera que o ataque foi “extremamente coordenado e pré-planejado”. “Nós devemos esperar que o Talibã aumente seus ataques porque estão sofrendo no front de guerra, seus comandantes estão sendo assassinados e suas atividades estão sendo fortemente dificultadas pelas nossas forças de segurança”, comentou.

Em maio, o principal líder talibã, Akhtar Mansour, foi morto em um bombardeio realizado por um drone americano. Seu sucessor, o mulá Haibatullah Akhundzada, anunciado em seguida da morte, é um estudioso conhecido por pontos de vista radicais e parece estar aumentando as ofensivas violentas do grupo.

(Com agência EFE)