Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Ataque a base militar na Síria é atribuído a Israel

Aviões bombardearam estoque de foguetes que corria risco de cair nas mãos do grupo Hezbollah, segundo disse a CNN um funcionário da Casa Branca

Por Da Redação - 31 out 2013, 19h30

Aviões israelenses bombardearam na quarta-feira uma base militar na Síria, informou um funcionário da Casa Branca, não identificado, citado pela rede CNN.

Segundo a rede, os aviões tinham como alvo específico um estoque de misseis de fabricação russa que estavam armazenados na base de Latakia, no litoral sírio. Ainda de acordo com a rede, a fonte afirmou que as forças israelenses decidiram pela ação por temer que as armas pudessem estar sendo transferidas para o grupo terrorista Hezbollah, que opera no Líbano com o apoio do regime sírio.

Leia também:

Assad condiciona solução política para crise ao fim do apoio a rebeldes

Publicidade

Síria destruiu instalações de produção de armas químicas, diz Opaq

Segundo testemunhas citadas pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos, foram ouvidas explosões em Latakia na quarta-feira.

O governo israelense não quis comentar as informações sobre o suposto ataque. Ao longo deste ano, surgiram relatos de outros ataques israelenses na Síria, incluindo um bombardeio a um comboio em janeiro. O governo israelense vem se recusando a comentar qualquer caso especifico, mas já deixou claro em outras ocasiões que tomaria medidas para impedir que armas do regime do ditador sírio Bashar Assad sejam transferidas para grupos terroristas que ameaçam Israel.

Em ocasiões anteriores, os relatos de ataques israelenses provocaram reações iradas do Irã, que apoia o regime sírio, e até mesmo da Turquia, que se opõe a Assad. Os turcos já afirmaram temer que as incursões israelenses sejam usadas pelo regime para encobrir seus crimes e conseguir apoio entre os países da região.

Publicidade

A Síria enfrenta está sendo assolada por uma guerra civil desde março de 2011. Os choques entre grupos rebeldes que tentar derrubar o regime e forças do governo já provocaram a morte de 100 000 pessoas, segundo estimativas das Nações Unidas.

Local do ataque

Publicidade