Clique e assine a partir de 9,90/mês

Argentina: morre gerente de boate palco de tragédia com 194 vítimas

Condenado a dez anos de prisão, Omar Chabán estava internado em hospital

Por Da Redação - 17 Nov 2014, 18h36

O empresário argentino Omar Chabán, gerente da boate República Cromañón, de Buenos Aires, na qual 194 jovens foram vítimas de um incêndio em dezembro de 2004, morreu nesta segunda-feira em Buenos Aires, informou a imprensa local. Chabán, de 62 anos, morreu no hospital Santojanni, onde estava internado em tratamento intensivo por um linfoma de Hodgkin no estágio 4.

Devido ao câncer, o administrador da boate obteve o benefício da prisão domiciliar em 2013. Nos últimos meses deste ano, ele esteve internado no hospital fazendo quimioterapia. Em 2009, Chabán foi condenado a 20 anos de prisão por responsabilidade nas mortes. Três anos depois, a setença foi reduzida para dez anos e nove meses.

Leia também:

Testemunhas começam a depor no processo da boate Kiss

Continua após a publicidade

Polícia indicia mais 18 por documentação da Boate Kiss

População de Santa Maria luta para não deixar a tragédia cair no esquecimento

Tal como na tragédia de 2013 na Boate Kiss, em Santa Maria (RS), o incêndio da Cromañón foi provocado pelo acionamento de fogos de artifício durante a apresentação de uma banda. As chamas entraram em contato com o material que revestia o interior da boate, que acabou entrando em combustão. A maioria das vítimas morreu por sufocamento. Outras 1.432 pessoas ficaram feridas.

A tragédia também resultou em outras prisões. Raúl Alcides Villarreal, chefe de segurança e colaborador direto de Chabán, foi condenado a seis anos de prisão. Também foram presos integrantes da banda, o empresário do grupo, o cenógrafo e agentes públicos.

Continua após a publicidade

O incidente custou o cargo do prefeito de Buenos Aires, Aníbal Ibarra, que foi cassado no final de 2005 depois de um julgamento político realizado pelo Legislativo da cidade.

Publicidade