Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Arábia Saudita doa US$ 100 mi para reconstrução da Síria

Recursos devem ser aplicados em infraestrutura e na reconstrução de setores econômicos devastados pelo Exército Islâmico

Por Da Redação
Atualizado em 17 ago 2018, 12h40 - Publicado em 17 ago 2018, 12h05

O governo da Arábia Saudita deu uma contribuição de 100 milhões de dólares à coalizão internacional contra o Estado Islâmico (EI) para apoiar projetos de estabilização em zonas da Síria libertadas do controle do grupo terrorista. Os recursos, em princípio, não serão transferidos ao governo de Bashar Assad.

Segundo a agência saudita SPA, os fundos serão utilizados para “revitalizar” comunidades devastadas pelo EI, como é o caso de Raqqa, no nordeste da Síria, considerada a antiga capital do califado declarado pelo grupo jihadista.

“Os fundos serão destinadas a projetos para restaurar os serviços essenciais nas áreas de saúde, agricultura, eletricidade, água, educação, transporte (estradas e pontes principais) e à eliminação de escombros”, detalhou a nota.

As autoridades sauditas esperam que estes fundos contribuam para salvar vidas, facilitar o regresso dos deslocados e ajudar que o EI “não ressurja” para ameaçar a Síria e outros países vizinhos ou para planejar ataques contra a comunidade internacional.

A Arábia Saudita faz parte da coalizão internacional que combate o Estado Islâmico na Síria. Trata-se do segundo país com mais missões aéreas na Síria contra o EI, atrás apenas dos Estados Unidos, segundo a nota. Além disso, o reino lidera o Grupo de Trabalho de Contra-finanças e é membro dos grupos de trabalho de Comunicações e Estabilização na coalizão.

O EI perdeu a maioria dos terrenos que conquistou na Síria e no Iraque em 2014, mas ainda conserva algumas populações no noroeste da Síria na margem do Eufrates e algumas zonas desérticas.

Continua após a publicidade

No entanto, a Organização das Nações Unidas (ONU) advertiu que o grupo terrorista recuperou força na primeira metade deste ano, em um relatório publicado na segunda-feira (13).

Calcula-se, segundo o relatório, que o grupo segue contando no Iraque e na Síria com entre 20.000 e 30.000 membros, distribuídos entre os dois países.

(Com EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.