Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Após reforma da Previdência, Macron é recebido com vaias por multidão

Presidente disse entender descontentamento da população, 'mas o país deve seguir em frente'

Por Da Redação 19 abr 2023, 15h30

O presidente da França, Emmanuel Macron, foi recebido com vaias por manifestantes em sua primeira aparição pública desde que sancionou um impopular aumento da idade de aposentadoria de 62 para 64 anos. A aparição aconteceu do lado de fora de uma fábrica na região da Alsácia, nesta quarta-feira, 19.

Macron se deparou com faixas hostis e manifestantes batendo panelas. Trabalhadores sindicalizados cortaram brevemente a energia elétrica dentro da fábrica.

Ele também chegou a caminhar no meio da multidão ao som de gritos de “Macron, renuncie!”. Um dos homens no protesto disse a ele: “Não queremos essa pensão (reforma), o que você não entende?”. Outro manifestante disse que ele estava liderando um governo corrupto e acrescentou: “Você vai cair em breve, espere e veja.”

Apesar da recepção hostil, também houve alguns aplausos de alguns apoiadores. Um homem disse a Macron para “aguentar firme” e uma mulher agradeceu por seu trabalho e outros pediram selfies.

+ Durante discurso de Macron, franceses fazem panelaço contra a reforma

No fim de semana, Macron sancionou sua reforma do sistema previdenciário, que apresenta um aumento na idade de aposentadoria, ou seja, os cidadãos devem trabalhar mais dois anos antes de receber sua pensão do Estado. A proposta gerou três meses de protestos que mobilizaram grandes multidões em todo o país. As pesquisas de opinião mostram que a grande maioria dos eleitores se opõe à reforma.

No vilarejo de Selestat, o presidente disse que entendia as pessoas expressando seu descontentamento “mas o país deve seguir em frente”. Mais cedo, durante a visita à fábrica, Macron minimizou a demonstração de descontentamento.

“As panelas não ajudarão a França a seguir em frente”, disse. Ele acrescentou que não era possível para uma sociedade ouvir apenas aqueles que “fazem mais barulho”, enquanto procurava destacar os aspectos positivos da reforma para a França.

O governo afirma que quer seguir em frente e focar em outras medidas relacionadas às condições de trabalho, lei e ordem, educação e questões de saúde. Porém, sua recepção em Selestat provou que nem todos estão dispostos a seguir em frente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.