Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Após 18 anos, homens que mataram jovem negro no Reino Unido são condenados

Por Da Redação - 3 jan 2012, 19h46

Londres, 3 jan (EFE).- Dois homens foram declarados culpados nesta terça-feira de matar a punhaladas há 18 anos o jovem Stephen Lawrence, um crime que comoveu o Reino Unido e despertou a consciência sobre o racismo entre os britânicos.

O jovem negro tinha 18 anos em abril de 1993, quando um grupo de homens brancos se aproximou dele e o esfaqueou num ponto de ônibus no sul de Londres.

Na ocasião, cinco suspeitos foram detidos, mas ninguém foi condenado, devido à grande quantidade de erros da polícia. O episódio causou indignação na comunidade negra e colocou em xeque a Scotland Yard, que foi acusada de racismo institucional.

Devido à incansável insistência dos pais da vítima, uma nova investigação foi iniciada. Após quatro anos, nesta terça-feira foi dado o veredito, que considera culpado Gary Dobson e David Norris, de 35 e 36 anos, respectivamente.

Publicidade

A condenação foi possível graças a uma revisão do caso baseada em novas provas. Foi descoberto sangue e um pelo da vítima nas roupas dos suspeitos. Os cientistas recuperaram o material usando técnicas que não existiam há 18 anos.

Além disso, um vídeo gravado com uma câmera escondida mostrado no tribunal, que anunciará a sentença publicamente nesta quarta-feira, os dois jovens aparecem em seu apartamento, em 1994, proferindo insultos racistas.

Um amigo que estava acompanhando o jovem morto no dia do crime contou que enquanto eles estavam esperando o ônibus, um grupo de cinco os seis pessoas se aproximou gritando e os agredindo verbalmente.

O amigo conseguiu fugir, mas Lawrence foi alcançado pelo grupo, esfaqueado e abandonado no meio da rua. Este se tratava de um dos crimes não resolvidos mais famosos do Reino Unido.

Publicidade

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, mandou uma mensagem aos pais da vítima. O líder lembrou que em todo esse tempo a família do homem lutou sem descanso para conseguir justiça.

Cameron disse que embora o veredito não possa reduzir a dor pela perda de um filho, os pais do rapaz terão um pouco de alívio após tantos anos de luta. EFE

Publicidade