Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Antes da agenda de negócios, Obama se encontra com rainha

Presidente americano e o primeiro-ministro britânico devem anunciar a formação de um conselho de segurança nacional americano-britânico

Por Da Redação 24 Maio 2011, 15h08

A rainha Elizabeth II recebeu o presidente dos Estados Unidos Barack Obama e sua esposa Michele em sua primeira visita oficial à Grã-Bretanha nesta terça-feira. Após encontrar-se com o príncipe William e a princesa Catherine, Obama foi recebido com uma salva real de 41 tiros de canhão no Palácio de Buckingham. Canhões cerimoniais dispararam 41 tiros enquanto a rainha Elizabeth, seu marido, o príncipe Philip, o príncipe Charles e sua mulher, Camila, a duquesa de Cornwall, escoltaram o casal Obama até o terraço oeste do palácio para a cerimônia formal de sua chegada. No gramado do palácio, Obama acompanhou o príncipe Philip em uma inspeção cerimonial de um regimento da Guarda Escocesa. O casal Obama foram presenteados pela rainha Elizabeth com uma página do diário pessoal do rei britânico George II, datada de 1783, na qual o rei falava sobre a importância de manter uma amizade e uma conexão com os americanos. Em troca, Obama e Michele presentearam a rainha com uma rara lembrança da visita de seus pais, o rei George VI e a rainha Elizabeth, aos Estados Unidos em 1939. A família real presenteou Obama com cartas entre a rainha Vitória e presidentes americanos. Obama depositou uma coroa de flores na Tumba do Soldado Desconhecido, na saída da Abadia de Westminster e, antes de ir a um banquete oficial no palácio Buckingham, deve se encontrar com o primeiro-ministro britânico David Cameron. Relações singulares – O presidente dedicou dois dias de sua agenda no continente à Grã-Bretanha para assegurar que os dois países conservem o caráter “especial” de seu relacionamento. Essa é a segunda visita de estado já feita à Grã-Bretanha na história por um presidente americano. Embora os dois governos tenham algumas diferenças sobre questões como a Líbia, por exemplo – na qual Obama é visto como mais lento que os europeus na batalha – os dois chefes de Governo destacaram o caráter singular das relações entre os dois países em um artigo de opinião publicado no jornal britânico The Times. Obama e Cameron devem anunciar a formação de um conselho de segurança nacional americano-britânico para trabalhar sobre desafios internacionais e compartilhar inteligência, informou um funcionário da administração Obama. O conselho deverá possibilitar “uma abordagem mais guiada e coordenada para analisar os desafios para além do horizonte que poderemos enfrentar no futuro”. (Com agência Reuters)

Publicidade