Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Angela Merkel diz que não tem culpa pela invasão da Rússia na Ucrânia

Ex-chanceler alemã defendeu relações comerciais entre Alemanha e Rússia, apesar de críticas sobre a dependência dos recursos energéticos de Moscou

Por Da Redação Atualizado em 8 jun 2022, 13h46 - Publicado em 8 jun 2022, 13h40

A ex-chanceler da Alemanha Angela Merkel defendeu nesta quarta-feira, 8, a forma com que seu governo lidou com o presidente russo, Vladimir Putin. Merkel foi acusada de deixar a Alemanha vulnerável ao buscar relações comerciais com a Rússia e criar uma forte dependência no setor energético.

O gasoduto Nord Stream 2, que transporta gás natural russo diretamente para a Alemanha, foi construído durante o seu mandato e só foi suspenso por seu sucessor, o chanceler Olaf Scholz, pouco antes da Rússia invadir a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Sob pressão para impor sanções à Moscou como reprimenda à guerra, a Alemanha está lutando para reduzir sua dependência da energia russa sem prejudicar sua própria economia. Mas Merkel defende que a Europa e a Rússia são vizinhos que não podem se ignorar.

+ Inflação na Alemanha atingiu nível mais alto desde crise do petróleo de 70

“Temos que encontrar uma maneira de coexistir apesar de todas as nossas diferenças”, disse na primeira grande entrevista desde que deixou o cargo, falando à emissora alemã ADR.

Segundo a ex-chanceler, a invasão foi “não apenas inaceitável, mas também um grande erro da Rússia”.

“Se começarmos a voltar através dos séculos e discutir sobre qual pedaço de território deve pertencer a quem, então só teremos guerra”, acrescentou.

Continua após a publicidade

Merkel também disse que “não tem nada para se desculpar” por sua resposta às ações de Moscou, inclusive à anexação da região ucraniana da Crimeia em 2014. Ela defendeu as sanções impostas à Rússia em resposta à anexação, assim como o papel da Alemanha na manutenção do processo de paz de Minsk, que deveria encerrar os combates no leste da Ucrânia na época.

Para ela, o processo de paz teria dado tempo à Ucrânia para se desenvolver como nação e fortalecer suas forças armadas.

“Eu não tenho que me culpar por não me esforçar o suficiente”, disse. “Eu não vejo que eu tenha que dizer ‘isso foi errado’, e é por isso que não tenho nada para me desculpar.”

+ Alemanha abandona cautela com guerra e envia armas pesadas para Ucrânia

Merkel também defendeu sua oposição, em 2008, à adesão da Ucrânia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). A ex-chanceler afirmou que queria evitar uma escalada de conflito com a Rússia e alegou que a própria Ucrânia não estava pronta para se juntar à coalizão militar.

“Não era a Ucrânia que conhecemos hoje. O país não era estável, estava cheio de corrupção”, disse.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, cujo país permanece fora da aliança da Otan apesar do extenso apoio da aliança desde a invasão, descreveu a decisão da Alemanha em 2008 como um “erro de cálculo”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)