Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Amanda Knox e ex-namorado vão enfrentar novo júri

Justiça italiana anulou absolvição do casal por morte de estudante britânica, em 2007. Os dois ficaram quatro anos presos, mas foram libertados em 2011

Por Da Redação 26 mar 2013, 08h39

A americana Amanda Knox e seu ex-namorado Raffaelle Sollecito, inocentados em 2011 do assassinato da estudante britânica Meredith Kercher, ocorrido em 2007 na Itália, vão enfrentar um novo julgamento. A decisão foi proferida nesta terça-feira pela Corte de Cassação italiana, última instância de apelação no país, segundo a BBC.

Entenda o caso

  1. • Meredith Kercher foi encontrada morta no quarto do apartamento que dividia com Amanda Knox, em 2007.
  2. • Ela estava seminua e tinha ferimentos pelo corpo, o que alimentou a versão da promotoria de que teria sido vítima de um jogo sexual regado a drogas.
  3. • Inicialmente, Amanda e o namorado italiano, que sempre negaram o crime, foram condenados – ela a 26 anos de prisão, ele, a 25. Eles apelaram, enquanto a promotoria pedia prisão perpétua.
  4. • Em outubro de 2012, a Justiça italiana inocentou os dois, mas em março de 2013 atendeu ao pedido de promotores de anular a absolvição. Agora, Amanda e o namorado vão enfrentar um novo julgamento.


A justiça italiana atendeu ao pedido de anulação da absolvição, feito por promotores de Perugia, onde ocorreu o crime. Advogados da família de Meredith também alegavam que o veredicto que inocentou o casal tinha falhas e deixou aspectos centrais do caso inexplicados.

Amanda, que voltou para casa, na região de Seattle, após ser libertada – ela e o italiano Sollecito cumpriram quatro anos na prisão -, lançaria, em abril, seu livro de memórias. Segundo a BBC, o novo julgamento deve ser realizado em Florença.

O crime – O corpo seminu de Meredith, com mais de 40 ferimentos e um corte fundo na garganta, foi encontrado no apartamento que ela dividia com Amanda em Perugia, em 2007. Para a promotoria, Amanda e Sollecito mataram Meredith em um ataque sexual instigado por álcool e drogas.

Continua após a publicidade

Inicialmente, eles foram considerados culpados e sentenciados a 26 e 25 anos de prisão, respectivamente, depois de um julgamento que saiu nos jornais do mundo todo. Em 2011, suas condenações foram derrubadas e eles foram libertados.

Um terceiro acusado, Rudy Guédé, da Costa do Marfim, continua negando participação na morte de Meredith, mas permanece detido depois de ter sido julgado em um processo separado, no qual admitiu parcialmente algumas acusações.

Surpresa – “Amanda está comovida, surpresa, porque pensávamos que este tema estava encerrado”, afirmou o advogado da americana, Carlo Dalla Vedova, ao canal CNN na Itália. “Mas, ao mesmo tempo, ela está disposta a batalhar como tem feito nos últimos cinco anos”, completou.

O advogado deu a entender que Knox não retornará à Itália para o novo processo “por muitas razões”. “Não sabemos exatamente quais são os motivos da decisão da Corte de Cassação, mas estamos prontos para a batalha”, disse.

Família – “Nós todos ainda sentimos terrivelmente a falta de Meredith”, disse Stephanie, irmã da estudante assassinada, em comunicado nesta segunda-feira. “Uma linda jovem, minha irmãzinha, nos foi tirada cedo demais de maneira tão brutal, com tantos fatores inexplicados”. Nesta terça-feira, à BBC, Stephanie disse estar feliz com a decisão da justiça italiana.

Francesco Maresca, advogado que representa a família de Meredith, disse que o julgamento que inocentou o casal, há dois anos, foi cercado de muita pressão externa. “O juiz mostrou vontade, desde o início, de absolver”, disse Maresca.

(Com agências Reuters e AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade