Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

África do Sul comemora seus 20 anos de democracia

Por Da Redação 27 abr 2014, 14h38

A África do Sul comemora neste domingo o 20º aniversário de suas primeiras eleições multirraciais, que colocaram fim ao regime do apartheid imposto pela minoria branca.

As felicitações do mundo inteiro, da rainha Elizabeth II da Inglaterra ao secretário americano de Estado, John Kerry, chegaram em memória daquele 27 de abril de 1994.

Diante de uma multidão alegre reunida em frente à sede do governo, o presidente Jacob Zuma lembrou “o sangue, o suor e as lágrimas” derramados para ganhar “o precioso direito de voto” e convocou seus compatriotas a votar novamente nas legislativas de 7 de maio.

“Votemos para consolidar a democracia e todos os êxitos de nossa jovem nação”, disse Zuma, em campanha por um segundo mandato que possivelmente ganhará, dada a hegemonia de seu partido, o Conselho Nacional Africano (ANC, em inglês).

Zuma também prestou a homenagem não apenas ao ANC, mas a todos aqueles que lutaram contra o apartheid, dos jornalistas, artistas e atletas que desafiaram a censura até os apoiadores de países africanos vizinhos.

Continua após a publicidade

Memória – Coroando negociações muito difíceis entre o ANC de Nelson Manela e as autoridades do apartheid, as eleições de 1994 permitiram à África do Sul escapar do caos e da guerra civil que na época pareciam se aproximar, e abriram o caminho para a elaboração de uma Constituição.

Duas imagens daquelas eleições de 1994 se tornaram icônicas. A primeira, das longas filas de eleitores que, com paciência, esperavam diante dos centros de votação.

A segunda, de um Mandela sorridente, com sua cédula de votação na mão. Quatro anos antes, ele havia deixado para trás 27 anos de encarceramento.

“Hoje é um dia como nunca houve”, disse Mandela. “A votação em nossas primeiras eleições livres começou. É a alvorada da nossa liberdade.” Apurados os votos, ele se tornou, aos 75 anos e com o apoio de parte da minoria branca, o primeiro presidente negro da história da África do Sul.

O arcebispo Desmond Tutu assim resumiu o sentimento nacional: “Incrível, é como quando ficamos apaixonados, ou como caminhar sobre as nuvens.”

O tempo deu, em parte, razão aos otimistas. Antigo Estado pária, a África do Sul se afirmou no cenário internacional, seu PIB dobrou em 20 anos e a pobreza retrocedeu.

Mas a “vida melhor para todos” prometida por Mandela em 1994 ainda não chegou. A África do Sul continua sendo um dos países do mundo com maior desigualdade. Faltam empregos e há falhas profundas nos sistemas de educação, segurança e saúde pública.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês