Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Abertura do julgamento emblemático do Khmer Vermelho

Por Tang Chhin Sothy 19 nov 2011, 13h02

O que está sendo chamado de verdadeiro julgamento do regime do Khmer Vermelho, responsável por dois milhões de mortos no Camboja, começa nesta segunda-feira, na ausência de uma dos quatro acusados, declarada com problemas mentais, em meio a poucas expectativas das vítimas de conhecer a verdade.

Mais de 30 anos depois dos fatos, o ideólogo do regime, Nuon Chea, o ex-ministro das Relações Exteriores, Ieng Sary, e o presidente da “Kampuchea democrática”, Khieu Samphan, comparecem ao tribunal de Phnom Penh, patrocinado pela ONU, para responder pelos crimes cometidos em nome de uma utopia marxista delirante.

Dois milhões de pessoas morreram, na época, de esgotamento, fome, doença, vítimas de torturas ou execuções, entre 1975 e 1979.

Do processo estará cruelmente ausente a ex-ministra de Assuntos Sociais, Ieng Thirith, que sofre de demência.

Em anúncio que provocou comoção, os magistrados ordenaram a libertação imediata de Thirith.

Apesar disso, o julgamento dos mais importantes dirigentes do regime de Pol Pot (morto em 1998 sem ter sido julgado nunca) é considerado histórico no país.

Continua após a publicidade

Publicidade