Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

90 mil vão às ruas contra favorito nas eleições do México

Organizada pelo movimento #Yosoy132, manifestação contra Enrique Peña Nieto, do Partido Revolucionário Institucional (PRI), ocorreu antes de debate

Por Da Redação 11 jun 2012, 01h17

Mais de 90 mil pessoas protestaram neste domingo na Cidade do México contra Enrique Peña Nieto, do Partido Revolucionário Institucional (PRI), o candidato apontado pelas pesquisas como favorito nas eleições presidenciais mexicanas. O protesto foi organizado pelo movimento estudantil #Yosoy132 e ocorreu antes do segundo debate eleitoral da campanha, realizado entre o fim de noite deste domingo e o início da madrugada desta segunda-feira (horário de Brasília).

Jovens de várias universidades do país, públicas e privadas, assim como organizações da sociedade civil, tomaram a avenida Reforma, a principal da Cidade do México, vindos do Zócalo – o coração da capital mexicana. A estimativa do número de participantes é da Secretaria de Segurança Pública da capital. “Aqui se vê que Peña não vai ser (presidente)”, gritavam os manifestantes, ao se concentrarem gradativamente no monumento do Anjo da Independência.

O movimento #Yosoy132 surgiu em 11 de maio, na Universidade Ibero-americana, uma das mais exclusivas do México, onde Peña Nieto foi vaiado por estudantes e teve que sair em meio a gritos. Após o episódio, o PRI alegou que as vaias haviam sido orquestradas pelos partidos adversários e o protesto não envolvia estudantes de verdade. Em seguida, 131 alunos da universidade colocaram um vídeo no Youtube exibindo suas identidades estudantis – o nome do movimento, “Eu sou 132” em português, foi originado dessa forma.

Pesquisas – Peña Nieto chegou ao debate presidencial desta noite com 43,6% da preferência dos mexicanos, segundo a última pesquisa da empresa Mitofsky. Depois aparecem Andrés Manuel López Obrador, que reúne os partidos de esquerda no Movimento Progressista, com 29,2%; Josefina Vázquez Mota, do oficial Partido Ação Nacional (PAN), com 25,3%; e Gabriel Quadri, da Nova Aliança, com 1,9%.

O protesto, que faz parte de uma crescente onda de descontentamento social no país frente às eleições presidenciais de 1º de julho, mostrou sua clara desaprovação ao PRI, que governou por 71 anos. Os manifestantes ganharam força após a imprensa local denunciar um suposto esquema midiático para favorecer Peña Nieto na televisão.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade