Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Time da moda na América do Sul, ‘La U’ conquista primeiro título continental

Redação Central, 14 dez (EFE).- Invicto há 35 jogos, algoz de Flamengo e Vasco e considerado por muitos, junto ao Santos, um dos melhores time da América do Sul na atualidade, o Universidad do Chile conquistou nesta quarta-feira seu primeiro título internacional ao vencer na partida de volta da Copa Sul-Americana.

Com dois gols marcados por Vargas, artilheiro da competição, com 11, e outro de Lorenzetti, a equipe chilena, que tem 84 anos de fundação, fez 3 a 0 jogando no Estádio Nacional, em Santiago, e ampliou a vantagem conquistada na ida, há seis dias, quando tinha feito 1 a 0 na altitude de Quito.

Assim, os chilenos evitaram que o adversário conquistasse seu quarto título continental em quatro anos. A equipe equatoriana venceu a Taça Libertadores de 2008, a própria Sul-Americana um ano depois e as Recopas de 2009 e 2010.

Sem saber o que é perder desde o dia 13 de julho, quando caiu diante do Magallanes, pela terceira fase da Copa do Chile, ‘La U’ ainda pode fechar com chave de ouro uma temporada que já é inesquecível. Campeão do Apertura no primeiro semestre, o time de Santiago está nas semifinais do Clausura e terá pela frente a rival Universidad Católica.

Na Sul-Americana, em 12 compromissos, foram dez triunfos e dois empates, um deles ainda na primeira fase, com o Fénix, e outro com o Vasco, em São Januário.

A decisão no Estádio Nacional teve arbitragem brasileira. O paulista Wilson Seneme teve a oportunidade de comandar sua primeira decisão internacional, auxiliado por Alessandro Rocha e Emerson de Carvalho.

Os times envolvidos na decisão trazem más lembranças para torcidas brasileiras, principalmente do Rio de Janeiro. Os equatorianos foram campeões da Taça Libertadores de 2008 e da Sul-Americana de 2009 no Maracanã, batendo o Fluminense nas duas finais. Já o Universidad, antes de ser campeão na noite desta quarta, eliminou Flamengo e Vasco, nas oitavas e nas semifinais, respectivamente.

Se o técnico Jorge Sampaoli não teve qualquer problema para montar o time da casa, Edgardo Bauza, o mesmo que comandou a LDU no título de dois anos atrás, teve vários desfalques, entre eles o lateral-direito Ulises de la Cruz, que tem passagem pelo Cruzeiro, e o volante Patricio Urrutia, ex-Fluminense, e com isso foi obrigado a montar um banco de reservas com apenas um atacante, Walter Calderón

O começo do jogo no estádio Nacional foi um verdadeiro massacre do time da casa, que fez 1 a 0 logo aos dois minutos de jogo. Após cruzamento de Rodríguez, a zaga afastou apenas parcialmente, e a bola sobrou para Vargas. Artilheiro, ele chutou firme para fazer seu décimo gol no torneio.

Por pouco, o segundo não saiu pouco depois, aos sete minutos. Aránguiz lançou e colocou Castro na cara do gol. O atacante bateu, o goleiro Domínguez deu rebote e ainda defendeu mais uma, na tentativa de Vargas.

‘La U’ dominava, e voltou a incomodar aos 13. Rodríguez apareceu livre, à frente da marca do pênalti, depois de cruzamento de Mena e cabeceou por cima.

A primeira tentativa de alguma relevância da LDU aconteceu apenas aos 19 minutos. Equi González, meia que fez parte do elenco do Fluminense que foi campeão brasileiro em 2010, fez o cruzamento em cobrança de falta e Hidalgo cabeceou por cima.

O time equatoriano tentava se mostrar vivo na decisão, e dois minutos depois o próprio Hidalgo arriscou de longe, pegando bem na bola. A bola desviou no meio do caminho, e o trio brasileiro apontou tiro de meta.

O jogo foi ficando feio, com muitas entradas violentas, e Semene se viu obrigado a distribuir cartões amarelos. Quando a disputa era apenas na bola, a LDU seguia com dificuldades. Aos 31 minutos, o goleiro saiu jogando errado e entregou no pé de no pé dos chilenos, mas se recuperou na sequência.

O lateral Rodríguez, junto a Vargas, era um dos destaques do Universidad. Aos 38, ele fez fila na defesa adversária e, da entrada da área, chutou de bico. Domínguez defendeu e Mena isolou no rebote.

Equi González ainda voltou a dar trabalho para Herrera aos 44, batendo falta novamente. Desta vez, a cobrança foi no cantinho direito, e o ‘Superboy’ caiu para espalmar para fora.

A segunda etapa começou com ‘La U’ assustando Domínguez. Aos seis minutos, Castro cruzou rasteiro e, após erro de domínio de Aránguiz, Canales finalizou muito perto da trave esquerda. Quatro minutos depois, veio a resposta: Equi cobrou escanteio e Diego Calderón encobriu a meta na cabeçada.

A partida então voltou a ficar tensa, e a LDU, que naquela altura precisava de dois gols, teve sua missão dificultada com a expulsão de Guagua, que acertou o cotovelo em Lorenzetti.

Logo após o cartão vermelho, o time visitante deu seu último suspiro e pressionou o Universidad por alguns instantes. Na melhor chance, aos 24, Barcos foi acionado por Equi, mas concluiu para fora.

A partir daí, o que se viu foi um verdadeiro show de ‘La U’. Canales ficou cara a cara com o goleiro e tentou o drible, mas foi parado por um tapinha de Domínguez, aos 28. Três minutos depois, Vargas trocou passes com Canales, que devolveu de calcanhar. O artilheiro, entretanto, bateu por cima.

De tanto insistir, a equipe da casa fez o segundo, aos 34. Vargas encheu o pé da direita e Domínguez defendeu, mas deu rebote nos pés de Lorenzetti, que não bobeou e estufou a rede.

Rodríguez, que era um dos melhores em campo, perdeu a cabeça aos 40 minutos, fez falta dura em Walter Calderón e recebeu o segundo amarelo, deixando o jogo em dez contra dez.

Mesmo com a perda do lateral, ‘La U’ ainda coroou mais uma bela atuação com o terceiro gol, aos 42. Vargas costurou a defesa equatoriana e tocou no canto esquerdo. Na comemoração, o atacante respirou aliviado e ainda saiu fazendo gestos indicando que a decisão estava encerrada.

Ficha técnica:.

Universidad do Chile: Herrera; Rodríguez, Osvaldo González, Marcos González e Mena; Rojas, Aránguiz e Díaz; Vargas, Castro (Lorenzetti) e Canales (Rivarola). Técnico: Jorge Sampaoli.

LDU: Domínguez; Guagua, Norberto Araujo e Diego Calderón; Reasco (Gomez), Hidalgo, Acosta, Equi González e Ambrosi; Luis Bolaños (Walter Calderón) e Barcos. Técnico: Edgardo Bauza.

Arbitragem: Wilson Seneme (Brasil), auxiliado por seus compatriotas Alessandro Rocha e Emerson de Carvalho.

Cartões amarelos: Díaz, Osvaldo González, Rodríguez e Vargas (Universidad do Chile); Hidalgo, Barcos, Equi González e Acosta (LDU).

Cartões vermelhos: Rodríguez (Universidad do Chile); Guagua (LDU).

Gols: Vargas (2) e Lorenzetti (Universidad do Chile). EFE