Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Técnico gremista vê evolução do time apenas como ‘primeiro passo’

Por Da Redação - 6 out 2011, 10h17

Não há uma arrancada como a do ano passado. O time não possui um artilheiro como Jonas. Mas, aos poucos, o Grêmio vai avançando na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. Já é o nono colocado, ficando a cinco pontos de uma vaga à Libertadores. No segundo turno, somente o Fluminense tem campanha melhor.

O crescimento gremista está diretamente ligado à chegada de Celso Roth. Quarta-feira, diante do Santos, o time pressionou, insistiu e se impôs em campo, para sair com a vitória por 1 a 0. Mesmo com a notória evolução, o treinador ainda enxerga tudo como o início de um processo.

‘Quando chegamos o time estava em um momento difícil, desequilibrado em termos de equipe, organização tática. Estamos trabalhando. Não conseguimos nada, a não ser o primeiro passo’, comentou o treinador para, em seguida, complementá-la em tom auto-explicativo.

‘Qual o foi o primeiro passo? Equilibrar, ter organização tática e repetir a equipe. Ainda estamos com muitas coisas por fazer. Estamos em uma situação interessante, em relação àquela anterior. Corríamos risco sério de rebaixamento. Já saímos dessa situação.’

Publicidade

A Era Roth tem 59,5% de aproveitamento. Dos 39 pontos conquistados pelo Grêmio, 25 foram sob seu comando.

Taticamente, a equipe passou a atuar com três meias e um atacante. ‘É possível ter equilíbrio nesse sistema, porque os dois laterais passam muito bem, avançam com qualidade. Isso sustenta todo o esquema que montamos. Fica bom de jogar para o Douglas’, analisou.

Publicidade