Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Santos joga em casa para avançar na Copa Libertadores

Por Da Redação 10 Maio 2012, 08h00

Por Sanches Filho

Santos – Todos sabem que o Santos é superior ao Bolívar, mas no jogo desta quinta-feira, às 19h30, na Vila Belmiro, o campeão da Copa Libertadores de 2011 vai jogar sob pressão em razão da derrota por 2 a 1 em La Paz. É certeza que o adversário, que chegou ao Brasil no último domingo e treinou secretamente no CT Desportivo Brasil, em Porto Feliz (SP), nos três últimos dias, vai se fechar na defesa e tentar aumentar a vantagem no contra-ataque. A vitória por 1 a 0 garante os santistas nas quartas de final, mas se os bolivianos marcarem um gol, a classificação se tornará dramática.

Muricy Ramalho demonstrou toda a sua preocupação com o Bolívar no treino tático desta quarta, no CT Rei Pelé, ao treinar três situações prováveis para o jogo. Na primeira, o treinador formou o time como no jogo de ida das finais do Campeonato Paulista contra o Guarani, no domingo passado, no Morumbi, com Henrique na lateral direita. A única diferença foi o retorno de Rafael ao gol e a saída de Aranha.

Na segunda é para ser adotada se o gol santista demorar a sair ou se o Bolívar aumentar a vantagem, com a substituição do volante de marcação Adriano por Borges para se juntar a Alan Kardec e Neymar no ataque. E uma terceira com quatro atacantes, com Rentería entrando no lugar de Elano. “O time que começa a partida é o de domingo, mas há situações de jogo que precisavam ser treinadas”, justificou o técnico.

A torcida atendeu aos apelos de Muricy Ramalho e dos líderes do time e esgotaram em um dia os ingressos e vão lotar a Vila Belmiro e fazer muito barulho para intimidar o adversário. Para os jogadores, o técnico recomendou paciência com a forte marcação dos bolivianos e pressão organizada para buscar o gol da classificação.

Embora o retrospecto do Santos contra clubes bolivianos na Vila Belmiro seja só de vitórias, além de ter vencido os sete jogos que disputou em casa neste ano, Muricy Ramalho afirma que na hora que a bola começar a rolar, nada disso conta. Como sempre acompanhou os clubes bolivianos, desde os tempos em que era auxiliar-técnico de Telê Santana no São Paulo, ele considera o Bolívar o melhor time do país em todos os tempos.

A única recomendação individual de Muricy Ramalho para o jogo foi para Neymar, que tem decidido todos os jogos para o Santos no ano. “Meu conselho para ele foi para não perder a cabeça. Como ele se expõe demais vai tomar porradas e ouvir coisas. Ele procura isso, procura o drible e sofre as faltas. É o tipo de jogo que escolheu e por isso precisa ter paciência para não revidar”, concluiu o treinador.

Continua após a publicidade
Publicidade