Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sandy: ‘Espero que a luta dure pelo menos um round’

A cantora - praticante de boxe e fã do UFC - vai ver o confronto entre os brasileiros ao vivo na madrugada de domingo em Las Vegas

“Sou bem durona com relação a dor. Estava fazendo musculação há uns quatro anos, e não encaixei direito a barra do supino: ela escapou e bateu no meu nariz. Fui descobrir que havia quebrado uma semana depois. Senti muita dor e até me apresentai com o nariz inchado, mas ninguém percebeu.”

“Será boxe contra boxe tailandês. Acho que vai ser uma luta em pé, com trocação. O Anderson tem maior envergadura, é muito versátil e se sai bem de qualquer situação. O Vitor é muito explosivo, rápido. Se alguém pode ganhar do Anderson, é o Vitor.” Esta análise da principal luta da madrugada deste domingo, entre o campeão dos médios Anderson Silva e Vítor Belfort, pelo UFC 126, poderia ser de um treinador, um lutador, ou de algum ex-atleta com muita familiaridade com o esporte. Mas não. A analista é a cantora Sandy – sim, ela mesma, filha de Xororó e ex-parceira do irmão, Junior -, apaixonada pelo UFC e praticante de boxe há quatro anos – “para aliviar o stress do dia a dia, exorcizar as coisas ruins”. Aos 28 anos, Sandy, 1,58 metro e 41 quilos, formada em Letras, não consegue esconder a empolgação em falar sobre o assunto. “Em quase todas as lutas rola uma reunião em casa. Assisto todas que posso. Não perco nada, gosto de ver todos os detalhes. Na última luta do Anderson, contra Chael Sonnen, fiquei maluca, com dor de estômago. Torci muito e o Anderson venceu no finalzinho. Foi demais.”

Sandy, na academia, em treino de boxe Sandy, na academia, em treino de boxe

Sandy, na academia, em treino de boxe (/)

A euforia tem uma razão bem específica: Sandy e o marido Lucas estarão vendo a luta dos brasileiros ao vivo, no hotel-cassino Mandalay Bay, em Las Vegas, na madrugada deste domingo. “Eu estava querendo viajar para os Estados Unidos e quando soube da luta planejamos a viagem de acordo com o evento. Mas quase perdemos a luta. Um amigo do Lucas ia casar no mesmo dia, mas o casamento foi adiado. Ainda bem…” Demonstrando conhecimento técnico sobre MMA acima da média dos torcedores, Sandy diz ainda que espera se divertir muito. “Acho que vai ser uma luta rápida. Desconfio que será a primeira vez que vou ver o Anderson com a guarda em pé, sem fazer aquela esquiva com a guarda baixa que costuma fazer. Uma coisa que pode dar um pouquinho de vantagem ao Vitor é que está treinando com o Randy Couture. Espero que dure pelo menos um round. Mas não me arrisco a dizer quem vai ganhar.” E confessa que tem aflição quando algum lutador sangra e não gosta mesmo é de ver joelhada no rosto. “Acho que não devia ser permitido. Às vezes quebram nariz, e penso na dor que sentem na hora. Prefiro quando a luta é mais trocação.” E ela fala de dor com conhecimento de causa, pois já teve o nariz fraturado. “Sou bem durona com relação a dor. Estava fazendo musculação há uns quatro anos, e não encaixei direito a barra do supino: ela escapou e bateu no meu nariz. Fui descobrir que meu nariz havia quebrado em dois lugares uma semana depois. Senti muita dor e cheguei a me apresentar com o nariz inchado, mas ninguém percebeu.”