Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Ronaldomania’ agita campeonato carioca e alavanca receita do Flamengo

Ingressos para segundo jogo de Ronaldinho Gaúcho estão esgotados. Em Macaé, onde o time pega o Boavista no domingo, camisa 10 some de circulação

A Ronaldomania, iniciada oficialmente na noite da última quarta-feira na vitória do Flamengo sobre o Nova Iguaçu, no Engenhão parece estar só começando. Em mais uma demonstração de paixão pelo time e por Ronaldinho Gaúcho, a torcida rubro-negra em poucas horas esgotou os 10 mil ingressos para a partida contra o modesto Boavista, domingo, às 17h , no estádio Cláudio Moacyr, o Moacyrzão, em Macaé. O estádio, inaugurado no ano passado, tem capacidade para 12 mil pessoas, e os dois mil lugares restantes estão destinados a gratuidades asseguradas por lei.

A expectativa da chegada de Gaúcho em Macaé é tanta que obrigou a prefeitura a montar um esquema especial de recepção para a delegação carioca. Duas viaturas da polícia estão escaladas para escoltar a chegada da comissão. Ainda não se sabe se o time viaja de ônibus ou de avião fretado. No estádio a segurança será realizada por 300 policiais. Outros 150 homens da PM e da Guarda Municipal estarão no entorno.

Camisas esgotadas – Já não são mais encontradas no centro de Macaé as camisas 10 do Flamengo, número de Ronaldinho. O ‘Dentuço’ está tão em alta que os torcedores já fazem campanha pela Internet para que no lugar do patrocinador principal seja estampada a frase “Flamengo é Flamengo”, que virou clichê após o craque utilizá-la em sua apresentação à torcida.

Muitos dos torcedores que não se esqueceram da briga do clube com a CBF por causa do título brasileiro de 1987 estão sugerindo a inscrição “Fla é hexa”. A diretoria, no entanto, optou por estampar na frente do ‘manto’ o endereço do site do clube. A diretoria de Marketing do Flamengo e executivos da Traffic, empresa de marketing esportivo responsável pela negociação com patrocinadores na era Ronaldinho Gaúcho, avaliam duas propostas para o patrocínio principal do uniforme pelos próximos dois ou três anos. Somente pelo último jogo, o clube embolsou 900 mil reais, pagos por uma empresa administradora de cartões de crédito.