Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Puyol, Iker Casillas e Xavi, os ‘veteranos’ do clássico

Madri, 20 abr (EFE).- Carles Puyol, Iker Casillas e Xavi Hernández, que são os ‘veteranos’ do duelo de maior rivalidade do futebol espanhol e os que mais vezes jogaram o clássico pelo Barcelona e Real Madrid, vão entrar em campo neste sábado, no Camp Nou.

Puyol, o primeiro dos três a estrear no clássico, em 13 de outubro de 1999, é o que mais disputou jogos contra o Real Madrid, com 24 atuações, apenas uma a mais que Xavi e Iker Casillas, que estrearam no clássico em 26 de fevereiro de 2000.

O zagueiro teve sua primeira aparição em um jogo que terminou empatado em 2 a 2 e se lembra do dia em que Raúl González mandou à arquibancada do Camp Nou se calar, após fazer o gol de empate no fim do jogo.

Raúl é o jogador que mais disputou este clássico, junto a Francisco Gento, ambos com 31 jogos, e marcou os dois gols dos madrilenhos nesta partida, na qual o Barcelona havia conseguido uma virada com gols de Rivaldo e Luis Figo.

Josep Guardiola, atual técnico catalão, foi titular no time treinado por Louis Van Gaal.

Curiosamente, estavam presentes no camarote os técnicos da seleção brasileira e da holandesa, Wanderley Luxemburgo e Frank Rijkaard, que depois viriam a assumir Real Madrid e Barcelona.

Na estreia de Xavi e Iker Casillas em 2000, quando os dois eram jovens oriundos da base de ambos, Roberto Carlos, Nicolas Anelka e Fernando Morientes fizeram os gols da vitória sobre o Barça de Louis Van Gaal por 3 a 0.

Esse foi o segundo clássico de Puyol, que nos últimos tempos se transformou em uma espécie de símbolo de perigo para o Real Madrid de Mourinho, pelo fato de a equipe catalã não ser derrotada quando o zagueiro está em campo.

Iker Casillas estreou com 18 anos no gol do Real Madrid, enquanto Xavi entrou no lugar de Winston Bogarde no intervalo da partida.

Desde então, com a aposentadoria de jogadores como Hierro e Sanchis, os três permaneceram como referências do clássico e da rivalidade máxima do futebol espanhol.

Os três, no entanto, são unidos por uma relação de camaradagem e amizade por serem companheiros na seleção espanhola, principalmente Xavi e Iker Casillas, que são oriundos da base de ambos os clubes e se enfrentaram em 29 vezes, com vantagem para o jogador do Barça.

Hoje os craques são rivais, cada um veste sua camisa, mas ao mesmo tempo, todos são amigos e defendem sua seleção e o país com dignidade. E mais do que qualquer outros jogadores, os três entrarão em campo no sábado no Camp Nou, como verdadeiras ‘bandeiras’ de suas equipes. EFE