Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Processo contra Del Nero está paralisado na Fifa

Por falta de documentos e evidências, presidente da CBF, que não viaja ao exterior desde maio de 2015, conseguiu escapar do banimento do futebol

Por Da redação 22 mar 2017, 09h30

A Fifa está de mãos atadas em relação a Marco Polo Del Nero. A entidade não conseguiu avançar nas investigações contra o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o cartola – que não viaja ao exterior desde maio de 2015, quando o escândalo da Fifa foi revelado – dificilmente será banido do futebol enquanto permanecer no Brasil sem uma ação da Justiça local.

Del Nero foi indiciado pela Justiça dos Estados Unidos em dezembro de 2015, acusado de corrupção no período em que era vice do presidente José Maria Marin. Dias depois, a Fifa anunciou que havia aberto uma investigação contra o brasileiro para determinar uma eventual expulsão do esporte, que o obrigaria a deixar a CBF.

Mas, sem sair do Brasil, Del Nero evitou ser preso, como ocorreu com seu antecessor Marin, que segue em prisão domiciliar em Nova York. Para completar, uma juíza no Rio de Janeiro impediu qualquer colaboração entre o Ministério Público no Brasil e os procuradores nos EUA. Ainda assim, a Fifa considerava que poderia reunir documentos que justificassem uma punição a Del Nero, mas o conteúdo foi considerado “insuficiente”.

A entidade que rege o futebol mundial foi munida pelo trabalho realizado pela CPI do Futebol, no Senado, um informe alternativo preparado pelo senador Romário e outros documentos. Ainda que tenham sido considerados como elementos “fortes”, eles seriam suficientes apenas para a abertura de um inquérito.

Para que o caso de Del Nero avance na Fifa, existem agora três opções: a chegada de novas evidências contra ele; a possibilidade de que o Ministério Público brasileiro finalmente avance nas investigações contra a CBF – em maio de 2015, o MP informou que um procedimento havia sido aberto, em “sigilo absoluto”, mas, quase dois anos depois, nenhum resultado foi apresentado; e por fim e menos provável, a Fifa agiria se Del Nero viajasse ao exterior e fosse preso e extraditado aos Estados Unidos, exatamente como ocorreu com Marin.

O princípio usado no caso do ex-presidente da CBF é de que, com uma prisão, fica claro que não apenas existe um indiciamento, mas também uma avaliação por um segundo país de que as provas são suficientes para justificar uma detenção.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)