Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Presidente do Atlético-GO questiona permanência de Adilson Batista

Por Da Redação - 27 maio 2012, 11h27

Contratado para conduzir o Atlético-GO no Campeonato Brasileiro da Série A, o técnico Adilson Batista já sofre com pressões internas vindas da diretoria do clube. O questionamento sobre a sua permanência à frente do time partiu do próprio presidente do Dragão, Valdivino de Oliveira, que se mostrou incomodado com o custo-benefício do comandante em sua equipe.

Incomodado com a postura apresentada por seu time no empate por 1 a 1 com a Ponte Preta, Valdivino não poupou críticas ao trabalho desempenhado pelo treinador até o momento e admitiu que irá se reunir com os demais membros da cúpula atleticana para definir o futuro de Adilson Batista em Goiânia.

‘O time foi apático, sem graça. Em campo, o time reflete a alma do treinador, e ele tem que rever isso. Não tem condições de conviver com uma pessoa que não quer vencer. Lógico que não podemos crucificar o treinador, ele decide, mas faltou ao grupo jogar mais. Temos que ter equilíbrio, avaliar bem e lembrar que o mais importante é a instituição’, bradou o presidente rubro-negro.

Adilson Batista chegou ao time durante a disputa da Copa do Brasil e foi eliminado pela Ponte Preta na segunda fase da competição. O revés não abalou a sua confiança no time e manteve total apoio até a perda do tricampeonato estadual para o Goiás. Mesmo com a derrota, o técnico rejeitou uma oferta de trabalho do Cruzeiro e garantiu que permaneceria no Dragão para a disputa do Brasileiro.

Publicidade

Entretanto, os dois empates acumulados nas duas primeiras rodadas da competição não deixaram a diretoria satisfeita. O Atlético-GO empatou por 0 a 0 com o Cruzeiro, na primeira rodada da competição, e saiu do Serra Dourada no último sábado com uma nova igualdade na bagagem, sendo vaiado por seu torcedor ao término da partida.

Com a paralisação do Campeonato Brasileiro para os amistosos da Seleção Brasileira, o clube terá tempo de se reorganizar internamente e definir as questões referentes ao comando do time nos próximos dias. Enquanto a diretoria não toma uma decisão oficial, o treinador continuará comandando os treinamentos de sua equipe, visando à partida contra o Grêmio, no dia 6 de junho, dentro de casa.

Publicidade