Prejudicado por novos ares, Fabrício tem estiramento na panturrilha

Por Da Redação - 9 abr 2012, 17h11

Um exame realizado nesta segunda-feira constatou um estiramento na panturrilha direita de Fabrício, a mesma que, por conta de uma contratura, o impediu de entrar em campo entre 22 de fevereiro e 1de abril. O volante ficará, no mínimo, fora dos dois próximos jogos e nem tem previsão de volta indicada pelos médicos.

Contratado para ser o exemplo em campo do ‘sangue nos olhos’ que faltou no elenco em 2011 na avaliação da diretoria, o camisa 8 atuou por 83 minutos pelo São Paulo nas três partidas em que foi escalado, sempre como titular. Na avaliação dos médicos, um número aquém do esperado devido à mudança de clube após quatro anos no Cruzeiro.

‘Ele está mudando de clube depois de trabalhar um bom tempo com uma rotina. Está mudando de ares, de cidade. Tudo isso pode ter uma repercussão em seu rendimento e na incidência de lesões. Não podemos esquecer que ele é atleta e é gente, e gente surpreende positivamente ou negativamente’, argumentou o médico José Sanchez.

Mais do que um dia a dia diferente do que o vivido no Tricolor paulista, o Cruzeiro acabou gerando outro prejuízo ao contratado pela equipe do Morumbi. Para ajudar seu ex-time a escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro, o meio-campista atuou com dores no tornozelo esquerdo, esforço que o deixou fora de toda a pré-temporada são-paulina.

Publicidade

‘Não podemos esquecer que ele terminou o ano no Cruzeiro jogando as cinco últimas partidas no sacrifício, tomando medicação, porque o clube precisava muito dele. Saiu de lá orientado a fazer repouso durante as férias porque acharam que melhoraria. Três dias antes de se apresentar aqui, tentou uma corrida, sentiu um pouco de dor e nos relatou, sem conseguir fazer os testes físicos na pré-temporada’, lembrou Sanchez.

Por conta do problema, Fabrício só estreou em 22 de fevereiro. E ficou 22 minutos em campo – sentiu contratura na panturrilha direita e foi sacado aos 22 minutos do primeiro tempo do empate por 3 a 3 com o Bragantino. O atleta voltou a ser escalado apenas em 1de abril, quando atuou pelos 46 minutos do primeiro tempo da vitória sobre o Ituano e saiu dizendo-se envergonhado pela falta de ritmo. No último sábado, sua participação diante do Mogi Mirim durou somente 15 minutos até sentir incômodo na mesma panturrilha.

José Sanchez assegura que o departamento médico e a comissão técnica não pularam nenhuma etapa prevista para recuperação do jogador, apontando que o reforço de 29 anos também não aceitaria forçar sua volta. O médico conta que Fabrício só reclamou de cansaço após enfrentar o Ituano e vê os comentários de que o volante está ‘bichado’ como passionais.

‘É desagradável, uma coisa chata, mas pode acontecer no futebol e no esporte. A expectativa para uma sequência de jogos dele dá uma dimensão maior porque a torcida e o departamento médico, inclusive eu, queremos vê-lo jogando. Mas não é tão incomum. Só ficaremos preocupados se esta situação perdurar. Não acho que ele esteja diferente de outro atleta’, argumentou.

Publicidade