Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Por que o UFC quer mudar seus campeões de categoria

Sem adversários para alguns de seus principais detentores de título, o UFC sonha com 'superduelos', como St-Pierre x Anderson, Jon Jones x Cigano…

Por Da Redação 21 Maio 2012, 09h29

Uma superluta entre Anderson Silva, campeão dos médios, e Jon Jones, campeão meio-pesado, é outro exemplo de confronto sonhado pelos fãs do MMA

A maioria dos fãs do UFC esperava que José Aldo, campeão dos penas, subisse para a categoria leve. Explica-se: se continuar entre os penas, dificilmente terá um adversário à sua altura, o que tira um pouco da graça de acompanhar seus combates. O manauara de 25 anos já venceu os oponentes mais perigosos na faixa de peso até 66 quilos, e agora faltam desafios para o brasileiro. José Aldo disse que aceitaria subir para os leves, mas seu técnico e empresário exigiu que o brasileiro disputasse o cinturão logo de cara. Os rumores não foram confirmados, e o presidente Dana White confirmou que Aldo fará a luta principal do UFC 149, em julho, no Canadá, contra Erik Koch. Se o brasileiro vencer – e ele tem tudo para conseguir isso -, os comentários sobre uma possível mudança de categoria certamente voltarão. E isso exemplifica um fato curioso no momento atual do UFC. Os principais campeões do maior evento de MMA do planeta já “varreram” quase todos os adversários possíveis em suas categorias. Agora, os organizadores estão tendo dificuldades para “casar” boas lutas – o que faz despertar tanta expectativa sobre mudanças de categoria que abririam as portas para superduelos como Georges St-Pierre x Anderson Silva ou Jon Jones x Júnior Cigano.

Leia também:

Leia também: ‘É difícil fazer algo acontecer aqui no Brasil’, afirma Dana White

Das sete categorias com campeões no UFC, três têm lutadores que defendem seu título há mais de três lutas e dão pistas claras que vão passar mais um bom tempo no topo. Entre os brasileiros, além de José Aldo, que conquistou seu título em 2010, Anderson Silva detém o cinturão desde 2006, com um recorde de nove lutas com o status de campeão. Entre os americanos, Dominik Cruz é campeão desde 2010, e Jon Jones, desde 2011 – e com grande vantagem sobre os rivais de sua faixa de peso. A solução mais fácil para o problema – pelo menos para o presidente da franquia, Dana White – seria casar confrontos entre os campeões de categorias diferentes, despertando o interesse por novas rivalidades. O UFC já acenou várias vezes com essa possibilidade, mas a maioria dos atletas não aceitou a proposta, já que a adaptação a outra categoria não é tão fácil assim. O duelo mais próximo de acontecer continua sendo entre Aldo e o campeão da categoria leve, que atualmente é Ben Henderson. Já existem, porém, algumas outras possibilidades (confira no quadro abaixo), que empolgam os fãs de lutas e animam os organizadores.

Continua após a publicidade

Leia também:

Leia também: UFC: a dupla personalidade de Sonnen, cretino profissional

Uma superluta entre Anderson Silva, campeão dos médios, e Jon Jones, campeão meio-pesado, é um dos exemplos de confrontos sonhados pelos fãs de artes marciais mistas. Esse encontro, porém, jamais deverá acontecer, uma vez que o americano já avisou que não tem interesse em descer de categoria – pode até subir para a de peso-pesado, mas só se Júnior Cigano não estiver com o cinturão (ele defende o título no fim de semana, nos Estados Unidos, contra Frank Mir). Se o desafio com Jon Jones está distante, Georges St-Pierre, campeão meio-médio, é um dos campeões que podem entrar na lista de candidatos a desafiar Anderson no futuro. O canadense disse que estuda subir para a categoria dos médios, e Dana White, já calculando o tamanho do retorno financeiro de um combate tão aguardado, avisou que adoraria promover essa luta (e, claro, colher os lucros oferecidos pelo megaevento).

Leia também:

Leia também: Atletas do UFC perdem até 16 quilos para ‘enganar’ a balança

Sofrimento – Os lutadores de MMA herdaram dos atletas do boxe e de wrestling (espécie de luta olímpica), o costume de perder peso perto da luta – às custas de muito esforço e dor – para se encaixar em categorias inferiores ao seu peso de costume. Em 2011, o UFC divulgou um vídeo em que José Aldo, que normalmente pesa cerca de 80 quilos, sofre demais para conseguir bater o limite do seu peso, que é apenas 66 quilos. O manauara aparece esgotado e chega a dizer que nunca vai mais sofrer para descer de categoria. Outro que perde muitos quilos antes dos combates é Anderson Silva. O campeão dos médios pesa normalmente entre 100 e 105 quilos e poderia lutar entre os pesados, mas baixa para 84 quilos, limite da sua categoria. O sofrimento acaba sendo recompensado por Dana White, através de premiações generosas em cada defesa de cinturão – o que faz com que os lutadores repitam tudo de novo para a luta seguinte.

Continua após a publicidade
Publicidade