Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Para chefão da Mercedes, esticar temporada é inaceitável

Ross Brawn reclama da possibilidade de recolocar GP do Barein no calendário

Por Da Redação 31 Maio 2011, 09h23

“Você quer que eles trabalhem até dezembro, sem ter tempo para as férias antes do Natal, e já tendo que retornar em janeiro?”, reclamou Brawn

A vontade de reintegrar o GP do Barein ao calendário desta temporada da Fórmula 1 tem gerado polêmica entre as equipes. Prova disso é a dura resposta do chefe da equipe Mercedes, Ross Brawn, que demonstrou não ter a menor vontade de estender o campeonato até o mês de dezembro, como o empresário Bernie Ecclestone pretende. Para Brawn, correr o GP da Índia no dia 11 deste mês é algo “totalmente inaceitável”.

O detentor dos direitos comerciais da F-1 não esconde de ninguém sua vontade de recolocar a etapa asiática no planejamento da categoria, ainda que ela não apresente espaços, pois afirmou que não irá devolver o dinheiro pago pelo país para receber a prova neste ano – a prova abriria a temporada, mas por questões políticas (uma onda de protestos sacudia o Barein), o GP foi cancelado.

Brawn já havia dito ser contra o final da temporada ser disputado no dia 4 de dezembro, considerando a data muito tardia. Desta vez, ele reclamou ainda mais da possibilidade proposta por Ecclestone, afirmando ter o apoio dos times do circo, e que eles informaram o empresário britânico de sua vontade.

“A temporada está se esticando demais. Nossos homens estão trabalhando desde janeiro, nós não temos mais equipes de testes, então são os mesmos que trabalham desde então. E aí você quer que eles trabalhem até dezembro, sem ter tempo para as férias antes do Natal, e já tendo que retornar em janeiro?”, reclamou.

“Pessoalmente, acho isso inaceitável, e nós já falamos a Bernie o que achamos, ele sabe a nossa opinião. Se continuarmos a estender pouco a pouco a temporada, em breve teremos problemas, porque nossa companhia não espera trabalhar nessas condições. Os times precisam ter a chance de opinar a respeito.”

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade