Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O papelão de “Djocovid”

Um dos tenistas mais talentosos da história deu a sua maior bola-fora

Por Luiz Felipe Castro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 21 jan 2022, 06h00

Novak Djokovic, um dos tenistas mais talentosos da história, deu a sua maior bola-fora, e justamente quando poderia se consagrar como o maior de todos. Empatado em títulos de Grand Slam (vinte) com Roger Federer e Rafael Nadal, o número 1 do mundo queria se isolar como recordista no Aberto da Austrália, mas deixou o país pela porta dos fundos, deportado. Na direção oposta à ciência, ele vem colecionando trapalhadas na pandemia. Organizou um torneio com público em sua terra natal, no qual abraçou até crianças. Resultado: vários contaminados, incluindo ele próprio. Sempre se mostrou contrário à obrigatoriedade da vacina e se negava a revelar se havia se imunizado. Diante da exigência, admitiu: não se protegeu, mas fez de tudo para burlar as leis e buscar o décimo troféu em Melbourne. O vexame teve início no dia 5, quando desembarcou com uma exceção médica aprovada pelo torneio. A imigração local resistiu. Deu-se um enorme conflito diplomático. Djoko ficou em um hotel para imigrantes ilegais, obteve recurso, chegou a treinar, mas foi vencido pela decisão final da Corte. Para piorar, “Novax Djocovid” (os apelidos foram inevitáveis) admitiu um erro no preenchimento do formulário de viagem e que desrespeitou o isolamento após testar positivo. Não há desculpas: foi um papelão completo diante de uma doença que matou mais de 5 milhões de pessoas no mundo. Roland Garros já avisou que sem vacina ele não pisa em Paris. Aos 34 anos, Djokovic deve alcançar, mais cedo ou mais tarde, o recorde que tanto busca. Limpar a pecha de negacionista será bem mais complicado.

Publicado em VEJA de 26 de janeiro de 2022, edição nº 2773


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.