Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

‘Mão de Deus’ e ‘gol do século’: consagração de Maradona completa 30 anos

Em 22 de julho de 1986, o controverso gênio do futebol argentino marcou duas vezes diante dos ingleses e se eternizou como herói nacional

Por Da Redação 22 jun 2016, 12h31

No mesmo dia em que celebram a classificação argentina à final Copa América e a redenção de Lionel Messi, os torcedores argentinos festejam um feito histórico: há exatos 30 anos, em 22 de junho de 1986, Diego Armando Maradona marcou os dois gols mais importantes e emblemáticos de sua carreira – um de mão, a famosa Mano de Dios, e outro espetacular, ao arrancar do meio campo enfileirando ingleses e empurrar a bola até a meta vazia – nas quartas de final da Copa do Mundo de 1986, diante da Inglaterra. A vitória por 2 a 1 no Estádio Azteca, sob os olhares de mais de 114.000 torcedores, significou muito mais que uma façanha esportiva: os gols de Maradona vingaram todo um país, ainda machucado pela derrota argentina na Guerra das Malvinas (ou Falklands) contra o Reino Unido, que resultara na morte de 649 argentinos.

O primeiro gol do craque, um dos mais controversos da história do futebol, aconteceu aos cinco minutos do segundo tempo. Maradona aproveitou uma bola espirrada pelo zagueiro Steve Hodge e, do alto de seu 1,65 m, superou o goleiro Peter Shilton para abrir o placar para a Argentina. O árbitro tunisiano Ali Bennaceur não viu que Maradona utilizou a sua mão esquerda para colocas a bola nas redes. Ao fim da partida, o camisa 10 disse ter marcado o gol “um pouco com a cabeça e um pouco com a mão de Deus.”

https://youtube.com/watch?v=gK2z5-cceP4%3Frel%3D0

O segundo gol, este sim uma obra prima incontestável, saiu cinco minutos depois. Maradona recebeu a bola em seu campo de defesa e arrancou até parar nas redes. A habilidade de sua perna esquerda deixou cinco jogadores de linha (Hoddle, Reid, Sansom, Butcher e Fenwick) e mais o goleiro Shilton para trás e enlouqueceu o público no Azteca. O memorável relato do narrador Victor Hugo Morales, uruguaio radicado na Argentina, deixou o gol ainda mais extraordinário e até hoje faz argentinos e fãs de futebol pelo mundo chorarem de emoção. O gol foi eleito o mais bonito da história das Copas em votação no site da Fifa, em 2002. A Argentina ainda conquistaria o bicampeonato mundial no México com uma vitória por 3 a 2 sobre a Alemanha.

https://youtube.com/watch?v=zKUYPZvOdUs%3Frel%3D0

(da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade