Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Libertadores em versão ‘Brasileirão’: briga fica mais caseira

País pode colocar quatro clubes nas quartas - dois deles, num confronto direto

Por Da Redação 10 Maio 2012, 08h32

Além do simples crescimento numérico, com pelo menos cinco times envolvidos na disputa a cada ano, o Brasil conta com o momento favorável em relação aos vizinhos para estabelecer essa presença tão forte nas etapas decisivas

No ano passado, Corinthians e Vasco da Gama brigaram até o fim pelo título do Campeonato Brasileiro, com vantagem para os paulistas. Na noite de quarta-feira, campeão e vice da competição nacional garantiram a classificação às quartas de final da Libertadores – o Corinthians eliminou o Emelec, em São Paulo, e o Vasco, o Lanús, em Buenos Aires – e marcaram um novo duelo. Os brasileiros se enfrentarão a partir da próxima semana para decidir quem avança às semifinais do torneio continental. Antes disso, nesta quinta-feira, o Fluminense, campeão brasileiro em 2010, pega o Internacional, campeão da Libertadores naquele mesmo ano, num estágio ainda mais precoce da competição, as oitavas de final. Esses confrontos decisivos entre os grandes clubes brasileiros no mata-mata só confirmam uma tendência que vem crescendo com o passar dos anos: cada vez mais, os times do país decidem entre si os rumos da Libertadores, transformando a competição internacional numa luta interna entre brasileiros (na galeria acima, clubes nacionais que foram à final).

Desde 2005, quando São Paulo e Atlético-PR fizeram a primeira final entre clubes brasileiros na Libertadores, os duelos decisivos envolvendo times do país se multiplicaram – afinal, há mais vagas para os brasileiros na comparação com as edições passadas. Com mais títulos conquistados, há ainda mais lugares garantidos: os campeões garantem um lugar nas chaves do ano seguinte, o que acirra ainda mais essa competição interna. Em 2006, a final foi novamente brasileira, entre São Paulo e Internacional. Em 2007, Santos e Grêmio fizeram uma semifinal emocionante. E, no ano seguinte, dois favoritos, São Paulo e Fluminense, jogaram já nas quartas de final. A Libertadores de 2009 teve batalhas entre São Paulo e Cruzeiro e Grêmio e Cruzeiro, e em 2010, o São Paulo pegou o Cruzeiro e o Inter. Naquele ano, a semi entre paulistas e gaúchos acabou sendo considerada a final antecipada – a decisão, contra o Chivas, foi fácil para o Inter. A edição passada foi uma exceção: quatro brasileiros deram vexame nas oitavas e só o Santos avançou rumo ao título.

Além do simples crescimento numérico, com pelo menos cinco times envolvidos na disputa a cada ano, o Brasil conta com o momento favorável em relação aos vizinhos para estabelecer essa presença tão forte nas etapas decisivas da Libertadores (no quadro abaixo, os campeões da competição). Enquanto o futebol local atravessa um momento relativamente positivo, com grandes jogadores retornando ao país ou demorando mais a deixá-lo rumo à Europa, outras potências da América do Sul amargam graves crises. Sempre considerada a maior ameaça aos brasileiros nas disputas continentais, a Argentina vive um pesadelo, com equipes fragilizadas e sem dinheiro. O Boca Juniors, por exemplo, ficou dois anos fora da competição – neste ano, voltou forte, e pega o vencedor do jogo entre Flu e Inter. O Uruguai vive bom momento em seu futebol, com a seleção em alta e o Peñarol como finalista da última edição da Libertadores. Mas falta dinheiro ao pequeno país, o que transforma campanhas como a do Peñarol no ano passado cada vez mais raras.

Todos os campeões da Copa Libertadores
Ano CAMPEÃO VICE

1960

Peñarol (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

Olímpia (Paraguai)

1961

Peñarol (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

Palmeiras (Brasil)

1962

Santos (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Peñarol (Uruguai)

1963

Santos (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Boca Juniors (Argentina)

1964

Independiente (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Nacional (Uruguai)

1965

Independiente (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Peñarol (Uruguai)

1966

Peñarol (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

River Plate (Argentina)

1967

Racing (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Nacional (Uruguai)

1968

Estudiantes (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Palmeiras (Brasil)

1969

Estudiantes (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Nacional (Uruguai)

1970

Estudiantes (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Peñarol (Uruguai)

1971

Nacional (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

Estudiantes (Argentina)

1972

Independiente (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Universitario (Peru)

1973

Independiente (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Colo-Colo (Chile)

1974

Independiente (Argentina)

x

Continua após a publicidade

São Paulo (Brasil)

1975

Independiente (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Unión Española (Chile)

1976

Cruzeiro (Brasil)

x

Continua após a publicidade

River Plate (Argentina)

1977

Boca Juniors (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Cruzeiro (Brasil)

1978

Boca Juniors (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Deportivo Cali (Colômbia)

1979

Olímpia (Paraguai)

x

Continua após a publicidade

Boca Juniors (Argentina)

1980

Nacional (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

Internacional (Brasil)

1981

Flamengo (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Cobreloa (Chile)

1982

Peñarol (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

Cobreloa (Chile)

1983

Grêmio (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Peñarol (Uruguai)

1984

Independiente (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Grêmio (Brasil)

1985

Argentinos Juniors (Argentina)

x

Continua após a publicidade

América (Colômbia)

1986

River Plate (Argentina)

x

Continua após a publicidade

América (Colômbia)

1987

Peñarol (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

América (Colômbia)

1988

Nacional (Uruguai)

x

Continua após a publicidade

Newell’s Old Boys (Argentina)

1989

Atlético Nacional (Colômbia)

x

Continua após a publicidade

Olímpia (Paraguai)

1990

Olímpia (Paraguai)

x

Continua após a publicidade

Barcelona (Equador)

1991

Colo-Colo (Chile)

x

Continua após a publicidade

Olímpia (Paraguai)

1992

São Paulo (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Newell’s Old Boys (Argentina)

1993

São Paulo (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Universidad Católica (Chile)

1994

Vélez Sársfield (Argentina)

x

Continua após a publicidade

São Paulo (Brasil)

1995

Grêmio (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Atlético Nacional (Colômbia)

1996

River Plate (Argentina)

x

Continua após a publicidade

América (Colômbia)

1997

Cruzeiro (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Sporting Cristal (Peru)

1998

Vasco (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Barcelona (Equador)

1999

Palmeiras (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Deportivo Cali (Colômbia)

2000

Boca Juniors (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Palmeiras (Brasil)

2001

Olímpia (Paraguai)

x

Continua após a publicidade

Cruz Azul (México)

2002

Boca Juniors (Argentina)

x

Continua após a publicidade

São Caetano (Brasil)

2003

Boca Juniors (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Santos (Brasil)

2004

Once Caldas (Colômbia)

x

Continua após a publicidade

Boca Juniors (Argentina)

2005

São Paulo (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Atlético Paranaense (Brasil)

2006

Internacional (Brasil)

x

Continua após a publicidade

São Paulo (Brasil)

2007

Boca Juniors (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Grêmio (Brasil)

2008

LDU (Equador)

x

Continua após a publicidade

Fluminense (Brasil)

2009

Estudiantes (Argentina)

x

Continua após a publicidade

Cruzeiro (Brasil)

2010

Internacional (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Chivas Guadalajara (México)

2011

Santos (Brasil)

x

Continua após a publicidade

Peñarol (Uruguai)

Continua após a publicidade
Publicidade