Clique e assine a partir de 9,90/mês

Lenda da vela olímpica morre aos 88 anos

O dinamarquês Paul Elvstrom foi tetracampeão olímpico e é uma das maiores personalidades do país nórdico e do esporte mundial

Por Da redação - 8 dez 2016, 15h25

Morreu na noite de quarta-feira, aos 88 anos, um dos maiores atletas olímpicos da história, o velejador dinamarquês Paul Elvstrom. De acordo com informações publicadas pela imprensa da Dinamarca, o ex-atleta morreu em casa, em Hellerup, cidade localizada na região metropolitana da capital Copenhaguen.

Elvstrom dedicou sua vida inteiramente ao esporte: participou de oito edições dos Jogos Olímpicos, de 1948 a 1988, ganhando quatro medalhas de ouro consecutivas na classe Finn, entre Londres-1948 e Roma-1960. Eleito pelo Comitê Olímpico Dinamarquês como o atleta do século na Dinamarca e primeiro esportista a receber a Dannebrog, a mais importante honra concedida pela realeza do país.

“Foi um dos maiores. Sempre houve um grande respeito por ele, que é um dos motivos para a Dinamarca ter se transformado em uma potência no mundo da vela”, afirmou, em comunicado, o presidente do Comitê Olímpico Dinamarquês, Niels Nygaard.

Velejador dinamarquês Paul Elvstrom, medalhista olímpico de 1948 em Devon, Inglaterra
Velejador dinamarquês Paul Elvstrom, tetracampeão olímpico da vela Keystone/Getty Images

Elvstrom ganhou sua primeira medalha olímpica em Londres, em 1948, aos 20 anos. Depois, manteve o domínio em Helsinque-1952, Melbourne-1956 e Roma-1960. A partir dos Jogos de 1964, na Cidade do México, quando já tinha 40 anos, passou a se dedicar a classes que exigem menos da parte física.

Continua após a publicidade

Após um hiato de 12 anos, voltou aos Jogos Olímpicos para velejar na categoria Star em 1984, aos 56 anos, conquistando o quarto lugar em Los Angeles, velejando com sua fila mais nova Trine Elvstrom. Em Seul, já aos 60, foi o 15º colocado

A Federação Internacional da Vela (World Sailing) divulgou no Twitter um vídeo da jovem velejadora dinamarquesa Anne Marie-Rindom, de 25 anos, que comentou sobre o legado deixado pelo maior nome da vela no país e um dos maiores do mundo.

(Com Estadão Conteúdo e EFE)

Publicidade