Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Justiça destitui Ednaldo Rodrigues da CBF e define interventor; entenda

José Perdiz, do STJD, assume presidência interinamente

Por Da Redação
Atualizado em 7 dez 2023, 16h29 - Publicado em 7 dez 2023, 16h25

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) invalidou, nesta quinta-feira, 7, as eleições que colocaram Ednaldo Rodrigues na presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). José Diniz, presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) assume o comando da CBF interinamente com a incumbência de convocar novas eleições em até 30 dias.

A decisão foi tomada após a 21ª Vara de Direito Privado julgar a legalidade de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre a CBF e o Ministério Público do Rio de Janeiro, em março de 2022. Os desembargadores invalidaram o TAC, que estabeleceu novas regras eleitorais, por consideraram que o MP do Rio não tinha legitimidade para estabelecer esse acordo. Contestadores ainda afirmam que Ednaldo Rodrigues, que assinou o documento em nome da CBF, teria se beneficiado da medida, que permitiu a sua eleição.

Quando isso começou?

Em 2017, uma Assembleia Geral da CBF alterou as regras para as eleições da entidade, sem a participação dos clubes. Rogério Caboclo foi eleito sob as novas regras, mas, em julho 2021, a Justiça do Rio de Janeiro anulou sua eleição após o Ministério Publico do estado contestar as novas regras eleitorais. A decisão foi anulada dias depois, mas caboclo não voltou a presidência pois estava afastado por uma denuncia de assédio.

Em agosto do mesmo ano, os vice-presidentes da CBF nomearam Ednaldo Rodrigues como presidente interino, até a conclusão do mandado de Caboclo. Em março de 2022, Ednaldo Rodrigues e o Ministério Público do Rio de Janeiro assinaram um TAC que estabelecia novas regras eleitorais. Sob a nova legislação, Ednaldo Rodrigues foi eleito presidente definitivo, para um mandato de quatro anos, mas as eleições foram contestadas pois o Rodrigues teria se beneficiado do acordo que ele mesmo assinou com o MP.

Quais os próximos passos?

A decisão tem efeito imediato após a notificação e a publicação da medida. Diniz assume e tem a responsabilidade de convocar novas eleições em até 30 dias.  CBF poderá recorrer ao STJD. Mais cedo, a entidade contestou o processo de afastamento à FIFA e à Conmebol, alegando que o TAC e a consequente a eleição de Rodrigues são legítimos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.