Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jorge Henrique treina e Corinthians joga completo

Para enfrentar o Boca nesta quarta, no Pacaembu, equipe treinou até pênalti

O técnico Tite terá à sua disposição todos os jogadores para enfrentar o Boca Juniors nesta quarta-feira, no Pacaembu, pela partida de volta da decisão da Libertadores. No treino desta segunda-feira, o atacante Jorge Henrique trabalhou normalmente e está confirmado para a partida. Ele deixou o campo ainda no primeiro tempo do empate por 1 a 1 diante do Boca, na primeira partida da final, sentindo dores na coxa direita, mas passou por exames e foi liberado para o treino.

Assim, Romarinho começará novamente no banco, apesar de ter entrado no fim do segundo tempo do primeiro jogo, na Argentina, e marcar o gol de empate. Ele treinou entre os reservas e ficará como opção no banco.

Leia também:

Para o torcedor: por que o Corinthians vence

Para o secador: por que o Corinthians cai

No CT do Corinthians, Tite comandou um treino tático em campo reduzido e pediu para os reservas marcarem os titulares no campo de ataque. A ideia era simular contra-ataques rápidos, já prevendo uma possível pressão do Boca Juniors.

Pênaltis – Além disso, à exceção de Emerson Sheik, que logo após o treino tático seguiu para o hotel do CT, os outros dez jogadores que iniciarão a partida desta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), cobraram pênaltis nos dois gols do gramado, com Cássio e Julio César como adversários. O aproveitamento da maioria foi positivo, mas apenas Danilo (quatro vezes) e Alex (cinco vezes) acertaram todas as cobranças.

Chicão errou apenas uma vez, para boa defesa de Julio César, que também defendeu duas tentativas de Fábio Santos pelo alto. No outro gol, Cássio impediu que Leandro Castán e Alessandro tivessem 100% de aproveitamento, além de agarrar duas cobranças de Jorge Henrique, Ralf e Paulinho.

Uma vitória simples diante do Boca dá o inédito título da Libertadores ao Corinthians. O empate, independente do número de gols, leva a partida para a prorrogação e, caso a igualdade persista, às cobranças de pênalti.

(Com Agência Estado e Gazeta Press)