Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Hamilton lamenta início de prova ruim em Mônaco

Por Da Redação - 27 maio 2012, 14h49

Por AE

Mônaco – O inglês Lewis Hamilton não escondeu sua decepção com a quinta colocação no GP de Mônaco de Fórmula 1, neste domingo, vencido por Mark Webber. Depois de ter largado na terceira posição, o piloto da McLaren culpou seu desempenho ruim no início da prova por ter ficado fora do pódio e da briga pela vitória.

“Meu início foi um dos piores que tive em muito tempo”, declarou. “Não entendi porque isso aconteceu, e eu ainda tive sorte de escapar do acidente na primeira curva. Durante a corrida sofri com as curvas de baixa velocidade e tive problemas para preservar os pneus traseiros”, declarou.

Com o resultado, Hamilton chegou aos 63 pontos, na quarta colocação do Mundial de Pilotos, se distanciando do líder Fernando Alonso, que tem 76 pontos. Apesar de ter lamentado o próprio desempenho, o piloto inglês avaliou ter “tirado tudo” que podia de seu carro.

Publicidade

“Não foi o melhor resultado para mim – realmente não gosto de precisar me recuperar em uma corrida -, mas acho que tirei tudo que podia do carro. Saímos com alguns pontos e ainda há muitas corridas pela frente. Mas definitivamente temos trabalho a fazer por que, corrida a corrida, estamos sofrendo para nos manter entre os líderes”, disse.

Se o dia não foi bom para Hamilton, seu companheiro de equipe tem ainda mais motivos para lamentar. Depois de largar em 12.º, Jenson Button sofreu para conseguir ultrapassagens, não se aproximou das primeiras colocações e acabou abandonando a prova a poucas voltar para o fim.

“Fiquei preso atrás do Heikki (Kovalainen). Não chegamos a brigar por posição, mas se você não colocar o carro no lugar certo é impossível ultrapassar aqui. Foi um pouco frustrante, já que estava muito mais rápido do que quem estava na minha frente. Finalmente tentei ultrapassar na curva 15 e nos tocamos. Fim de prova. O resultado de hoje (domingo) vem de um treino de classificação ruim e de ter azar no início da prova”, afirmou.

Publicidade