Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Festa no Maracanã marca abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016

Os diretores do evento, Fernando Meirelles, Andrucha Waddington e Daniela Thomas, prometem uma "síntese da cultura popular brasileira"

O Maracanã abre hoje suas portas para um dos momentos mais aguardados dos Jogos Olímpicos. A cerimônia de abertura é o instante em que todos os atletas, desde a grande estrela do atletismo Usain Bolt até o jovem velocista Siueni Filimone, de Tonga, desfilam pelo estádio como iguais. A festa conta com a coreógrafa Deborah Colker, uma das mais renomadas da dança nacional, que assina a coreografia do espetáculo. A direção ficou com Fernando Meirelles, Andrucha Waddington, Daniela Thomas e Rosa Magalhães, com produção executiva de Abel Gomes. A promessa é de que o roteiro seja uma “síntese da cultura popular brasileira”. Com os nomes envolvidos, a cerimônia de abertura no Rio de Janeiro pode ser mais uma a entrar no rol dos grandes momentos olímpicos. Entre as participações previstas, estão as de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Anitta, Paulinho da Viola, Elza Soares, MC Soffia, Jorge Ben, Marcelo D2, Zeca Pagodinho, Paulo Jobim, filho de Tom, a modelo Gisele Bündchen e as atrizes Fernanda Montenegro e Judi Dench.

Ao longo dos anos, os Jogos Olímpicos protagonizaram cenas históricas em cerimônias de abertura. Em 1984, o americano Bill Suitor entrou no Los Angeles Memorial Coliseum por cima. Usando um jetpack (um jato acoplado às suas costas, como uma mochila), ele sobrevoou o público do estádio e pousou no meio da arena, para delírio de todos.

“Estava muito quente. Eu me lembro de esperar para decolar, as pessoas tirando fotos e alguém me perguntou se eu sabia que haveria 2,5 bilhões de pessoas me assistindo. E isso faz você pensar… principalmente sobre se estatelar com o mundo assistindo”, disse ele em 2012. Mas tudo deu certo e a aparência de um astronauta de Suitor aterrissando suavemente entrou para a história.

Em Barcelona-1992, o momento de acender a pira olímpica foi um dos mais célebres da história. O fogo foi posto na ponta de uma flecha e coube ao arqueiro paralímpico Antonio Rebollo o papel de acender a pira. Sob os olhares do mundo, ele atirou a flecha a uma grande distância e a pira se iluminou, sob delírio do público. Pouco tempo depois foi revelado que a flecha não chegou a acertar o alvo. A flecha passara por cima da pira, que foi acesa automaticamente para dar a ilusão desejada. Apesar da descoberta, o momento continuou imortalizado como um dos mais inesquecíveis dos Jogos Olímpicos.

A cerimônia de abertura dos Jogos de Pequim foi uma das mais belas já vistas. Os asiáticos se empenharam em fazer algo moderno e, ao mesmo tempo, tradicional. O resultado não poderia ter sido mais surpreendente. Um dos pontos altos foi os 2.008 tambores que se iluminavam ao ser tocados habilmente pelos percussionistas, em uma dança de imagem e som entrelaçados.

Tudo no segmento artístico da abertura em Pequim parecia ter sido feito para impressionar e criar novos parâmetros em uma cerimônia olímpica. Muitos dos números foram criados pensando no efeito para o público no estádio, que assistia a tudo de cima.

Em 2012, uma grande festa no Estádio Olímpico de Londres marcou o início dos jogos daquele ano. Foi uma celebração tipicamente britânica, com a participação de ícones da cultura local, como os atores Daniel Craig (conhecido por encarnar James Bond no cinema) e Rowan Atkinson (o eterno Mr. Bean). O espetáculo da cerimônia de abertura foi dirigido pelo cineasta Danny Boyle.

Em um grande espetáculo teatral, Boyle fez uma retrospectiva da evolução da civilização através das décadas, com várias menções à arte e cultura inglesas. Se a cerimônia não superou Pequim, foi um espetáculo grandioso, com mudanças ousadas de cenário e que renderam vários elogios a Boyle. A festa foi encerrada com Paul McCartney cantando Hey Jude. A próxima página dessa história será escrita nesta sexta-feira no Maracanã, sob os olhares do mundo inteiro.

(Com Agência Brasil)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Aloizio Barros de Souza

    Enfim, chegou o dia do “grande” acontecimento que vamos levar anos para pagar e que nada acrescenta às nossas vidas, realidade, economia. Só despesas.

    Curtir

  2. La vem favela, bunda e cachaça.

    Curtir

  3. Micky Oliver

    Vem aí muito samba, mulatas e ziriguidum! Clichê tupiniquim!

    Curtir

  4. Com exceção da Gisele, só tem lixo e a esquerdalha comunista colocada pelo PT para fazer propaganda política. Que vergonha.

    Curtir

  5. hildo molina

    funk??? realmente, brasil tá f…., cada vez mais enterrado, espero que tenha aquele monte de nadegas que o estrangeiro tanto adora!

    Curtir

  6. Tatiana Costantinni Cohen

    Funk??? Esqueceram e Villa Lobos, Oscar Lorenzo Fernandes, Erico Verissimo, Guimaraes Rosa etc???? Ou seja, espalhem mais baixarias do Brasil..

    Curtir