Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Feito para a Copa: o centro urbano que brotou nas imediações de Doha

Novinha em folha, Lusail nasceu com apartamentos, lojas, hotéis e, mais importante, o estádio da partida final

Por Caio Saad Atualizado em 4 jun 2024, 12h01 - Publicado em 8 Maio 2022, 08h00

Um dos pontos que chamaram a atenção na vitoriosa campanha do Catar para sediar a Copa do Mundo de 2022 foi a intenção de realizar a final do campeonato no estádio de Lusail. Detalhe: Lusail não existia — a área da cidade planejada, na época, continha apenas um punhado de casebres. Agora, faltando ainda seis meses para a Copa de novembro (o calendário foi empurrado para o fim do ano por causa do verão escaldante), tanto a cidade que surgiu do nada quanto o novíssimo estádio estão prontos. Situada na área metropolitana da capital, Doha, à qual se integra por um moderno sistema de trem e metrô, Lusail ostenta uma das maiores marinas do Golfo Pérsico, bem como shopping centers, ilhas artificiais, hotéis de luxo e todos os exageros que caracterizam as metrópoles daquele riquíssimo canto do planeta. “Nossa intenção foi colaborar com empresas locais voltadas para o futuro e criar uma comunidade capaz de oferecer uma experiência diferenciada a moradores e visitantes”, disse Essa Mohammed Ali Kaldari, diretor do fundo imobiliário que administra a região.

Desde 2010, quando foi anunciada a primeira Copa do Mundo em um país muçulmano, o pequeno emirado, uma pontinha de terra contornada pela Arábia Saudita de um lado e por água nos outros três, já gastou 6,5 bilhões de dólares na construção de oito estádios e um total de 200 bilhões de dólares em obras, aí incluída Lusail, com seus 40 quilômetros quadrados divididos em dezenove distritos, cada um com seu propósito e perfil. No Distrito do Estádio, reina soberana a estrutura arredondada, inspirada em peças de arte e artesanato do Oriente Médio, capaz de receber 80 000 pessoas — o Brasil joga lá contra a Sérvia no dia 24 de novembro. Encerrada a competição, a fachada do estádio, o maior de todos, permanecerá intacta, mas a capacidade será reduzida à metade e o espaço excedente dará lugar a uma escola, um centro comercial e uma clínica de saúde. “Esses projetos arquitetônicos arrojados seguem a tendência deste século, que é a reutilização”, explica Tatiana Fasolari, diretora da Fast Engenharia, empresa especializada em montagem de estruturas provisórias.

PLANEJAMENTO - Lusail: deserto e casebres deram lugar a uma cidade para 200 000 moradores -
PLANEJAMENTO – Lusail: deserto e casebres deram lugar a uma cidade para 200 000 moradores – (//Shutterstock)

A nova cidade foi planejada para 200 000 habitantes fixos e vai suprir, pelo menos em parte, a necessidade de moradias para uma população que cresce rapidamente, sobretudo pelo fluxo de gente de fora: dos 2,7 milhões de habitantes, 2,3 milhões são estrangeiros. Boa parte deles, em vez de ocupar apartamentos suntuosos, se espreme em alojamentos lotados: são trabalhadores vindos sobretudo do Paquistão, Nepal e Bangladesh para tocar obras de infraestrutura, inclusive as da Copa, em condições precárias, sob seguidas denúncias de maus-tratos e trabalho semiescravo. Mas o Catar, como outros países da região, também serve de porto seguro para milionários de todo o mundo, a quem oferece vida de luxo e baixos impostos, e neste pós-­pandemia tem buscado atrair profissionais de alta renda que aderiram ao trabalho remoto.

É para eles que se destina a Place Vendôme, cópia fiel do magnífico conjunto de edifícios históricos de Paris (só que climatizada para rebater a canícula do deserto), cercada de lojas caríssimas, como Dior, Valentino, Fendi e Gucci, além de cafés, fontes e shows diários de luz e som. Ainda em Lusail, a rede Hilton planeja inaugurar um resort com 3,5 quilômetros de praia particular. Já considerada um novo marco urbanístico, a Katara Towers, na forma de duas cimitarras, as espadas curvas árabes, terá hotel seis-es­trelas e apartamentos. Uma ilha artificial foi arquitetada exclusivamente para os iates ancorarem.

Continua após a publicidade
DAQUI SAI A TAÇA - Estádio da final da Copa: antes, Brasil e Sérvia jogam em 24 de novembro -
DAQUI SAI A TAÇA – Estádio da final da Copa: antes, Brasil e Sérvia jogam em 24 de novembro – (Qatar’s Supreme Committee for Delivery and Legacy/AFP)

Dono da terceira maior reserva de petróleo e gás do mundo e maior exportador de gás liquefeito, o diminuto Catar, que tem o tamanho de duas Brasílias, esmera-se em apresentar uma imagem de país mais moderno e culturalmente avançado do Golfo Pérsico, embora seja comandado por um monarca absoluto, o esforçado emir Tamim bin Hamad al-Thani — que, aos 41 anos, tem três esposas e treze filhos. As mulheres precisam cobrir o corpo e a cabeça e têm a vida controlada pelos homens da família, mas podem estudar e seguir carreira e participam da vida social e política, graças à mediação da xeica Moza, mãe do emir atual, que ficou famosa pelas roupas e pelos turbantes de grifes francesas e pela militância em prol da cultura no país. O esporte tem sido ferramenta essencial na aproximação com o Ocidente: o emir Tamim é dono do Paris Saint-­Germain, de Neymar e Messi, e o GP de Fórmula 1 chegou ao país em 2021, justamente em um autódromo novinho em folha construído em Lusail. A Copa do Mundo, com seu esperado 1,2 milhão de visitantes, será a prova de fogo do país-cidade que sonha ser uma Dubai aprimorada.

Publicado em VEJA de 11 de maio de 2022, edição nº 2788

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.