Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Em campo maior, Corinthians promete não defender o tempo todo

Por Da Redação - 19 jun 2012, 20h33

O Corinthians criou boas oportunidades, mas marcou apenas uma vez na vitória por 1 a 0 diante do Santos, semana passada, na Vila Belmiro. No segundo jogo das semifinais da Copa Libertadores, no estádio do Pacaembu, o Timão promete não ficar o tempo inteiro defendendo, ainda mais por se tratar de um local de maiores dimensões, em que o ataque será inevitável.

Fabio Santos não treinou durante a semana, mas está confirmado pelo técnico Tite no confronto desta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), e participou de todas as preleções do comandante. ‘Nossa, ele falou demais sobre não ficar em cima da vantagem o tempo todo. Falou muito’, brincou o ala, lembrando o bordão de Tite.

‘Pacaembu é um pouco mais complicado para manter o time compactado como foi na Vila Belmiro. Precisamos ser obedientes taticamente e com o apoio do nosso torcedor, buscar a vaga na final. Não é só parar o Neymar, mas o Ganso, o Arouca, o Santos inteiro, e matar o jogo marcando um gol’, afirmou Fábio Santos, que promete o time mais aberto no Pacaembu.Após a vitória por 1 a 0 na Vila Belmiro, semana passada, o Corinthians chega ao Pacaembu quarta, consciente de que um empate por 0 a 0 garante a vaga na final, assim como qualquer vitória ou empate com mais gols. Se for derrotado por 1 a 0, disputa a vaga nos pênaltis. Caso o Santos amplie o resultado positivo, o Timão dá adeus à Libertadores dentro de casa. Fábio Santos considera a vantagem importante, mas evita o discurso otimista e privilegia os ‘pés no chão&rsquo

‘É claro que entrar em campo com essa vantagem é significativo. O time de fora vai ter que partir para fazer seu próprio jogo, porque um 0 a 0 classifica a gente. Não vamos ficar o tempo todo atrás, porque a torcida apóia e temos que ir pra cima. Abrir o placar ajuda bastante’, avisou o lateral aos companheiros de ataque.

Publicidade