Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Detidas na Itália duas pessoas por suspeita de manipulação de jogos

Roma, 4 fev (EFE).- Duas pessoas foram detidas neste sábado na Itália durante a investigação do último escândalo que atingiu o futebol do país, a suposta existência de uma rede de manipulação de partidas e de fraude em apostas.

Trata-se de Mario Cassano, goleiro do Piacenza, que joga na Terceira Divisão, e de Angelo Iacovelli, pessoa próxima ao Bari, que no ano passado jogava na Primeira Divisão.

Segundo os investigadores, Iacovelli teria contribuído para alterar quatro jogos disputados pelo Bari durante a temporada passada, enquanto Cassano teria feito o mesmo com quatro jogos da Segunda Divisão nas temporadas 2010-2011 e 2008-2009, informaram os meios de comunicação italiana.

Os jogos do Bari que estão sob suspeita são os que a equipe sulista disputou contra o Milan, o Sampdoria, a Roma e o Palermo, realizados entre março e maio de 2011, segundo as mesmas fontes.

Ainda de acordo com os investigadores, Iacovelli foi o ponto de conexão entre os responsáveis da trama que supostamente administrava a manipulação de resultados e os jogadores do Bari, rebaixado à Segunda Divisão no final da temporada passada.

As detenções deste sábado se somam a outras 17 pessoas detidas em dezembro do ano passado e outras 16 em junho de 2011, por causa da investigação conduzida pela Promotoria de Cremona (norte) sobre a suposta existência de uma rede de apostas clandestinas.

Entre os detidos em dezembro figurava o ex-capitão do Atalanta e ex-jogador do Mallorca, Cristiano Doni, enquanto entre as detenções de junho estava Giuseppe Signori, ex-jogador da Lazio e Sampdoria.

Signori foi detido sob a acusação de fazer parte de uma rede de manipulação de partidas da Segunda e Terceira Divisão.

Por causa da investigação, o Atalanta, atualmente na Série A, foi penalizado pela Justiça Esportiva italiana com seis pontos, enquanto o Chievo chegou a um acordo e pagou 80 mil euros por sua ‘responsabilidade objetiva’ na rede de manipulações. EFE