Clique e assine a partir de 8,90/mês

De volta, Breitner espera seguir exemplos para se firmar no Santos

Por Da Redação - 18 out 2011, 13h31

Tido como uma das promessas das categorias de base do Santos nos últimos anos, o meia Breitner nunca conseguiu se firmar como titular na equipe principal. Mas, após ser emprestado ao Figueirense e, com uma passagem pelo Criciúma nesse ano também, o jovem atleta retornou a Vila Belmiro e espera seguir os exemplos de outros jogadores revelado pelo Peixe, que saíram do clube e deram a volta por cima no retorno ao time.

‘Estou muito feliz por voltar. Acharam melhor eu sair, jogar e pegar um pouco mais de experiência lá em Santa Catarina. Agora, estou voltando mais forte. Espero continuar trabalhando forte para merecer essa nova oportunidade, que o Muricy (Ramalho, técnico) está me dando. Espero dar muitas alegrias a ele e ao torcedor santista’, disse Breitner, que torce por novas chances para jogar com o atual treinador alvinegro.

O meia, de 22 anos, chegou a ser relacionado para algumas partidas, mas teve a oportunidade de jogar apenas no segundo tempo da derrota para o Grêmio, no último domingo, na Vila Belmiro.

Mesmo assim, Breitner acredita que pode repetir o sucesso do meia Wesley e do volante Adriano, conquistando o seu espaço no Santos. Wesley foi emprestado em 2009 ao Atlético-PR, onde deixou de ser atacante para atuar no meio-campo e, em seu retorno, no ano seguinte, foi importante para os títulos paulista e da Copa do Brasil-2010. Atualmente, Wesley defende o Werder Bremen, da Alemanha. No mesmo ano, Adriano foi para o São Caetano e, na sua volta, foi titular na campanha do título da Copa Libertadores da América deste ano.

‘Os dois servem de espelho. Tanto o Adriano quanto o Wesley procuraram ganhar o espaço deles pouco a pouco. Espero fazer o mesmo agora. Quero seguir os passos deles e conquistar o meu espaço aqui. Confio no meu futebol’, comentou.

Otimista, Breitner planeja uma sequência na reta final do Campeonato Brasileiro para, quem sabe, figurar na lista dos 23 atletas inscritos para a disputa do Mundial de Clubes da Fifa, em dezembro, no Japão.

‘É um sonho que eu tenho. Não só eu, como qualquer jogador sonha em disputar o Mundial. É uma competição muito importante e vou trabalhar para ganhar a confiança do professor pouco a pouco. Quem sabe eu não possa estar na lista final? Se pintar essa vaga no Mundial, vou ficar muito feliz’, encerrou.

Continua após a publicidade
Publicidade